Empresas com atuação online preveem crescimento para além da pandemia

A queda das vendas no comércio em decorrência da crise do coronavírus preocupa boa parte dos micro e pequenos empresários, mas também favorece outros

Tecnologia e empreendedorismo Tecnologia e empreendedorismo  - Foto: Pexels/Divulgação

A queda das vendas no comércio em decorrência da crise do coronavírus preocupa boa parte dos micro e pequenos empresários, mas também favorece outros.

Entre os beneficiados pelo isolamento social, segundo Juliana Berbert, consultora de negócios do Sebrae-SP, estão aqueles que já tinham atuação no universo online e, por isso, dispunham de infraestrutura bem montada para fazer entregas em domicílio.

"Implantar um setor de delivery é algo complexo e quem foi obrigado a criar o serviço de última hora certamente encontrou dificuldades", diz.

Uma das empresas que têm se saído bem é a startup Bebida na Porta, criada em 2019, que atua em alguns bairros de São Paulo, além de Alphaville e Tamboré (Grande São Paulo).

Leia também:
A hora e a vez do delivery
Empreendedorismo: do desemprego ao Portal do Temaki

Segundo a fundadora Jessica Gordon, 36, a empresa viu o número de pedidos aumentar 65% em março, em relação ao mês anterior. O número de novos clientes subiu 40%. "No dia 20 de março, tivemos que reforçar o estoque", diz.

Bebidas alcoólicas, sucos, água e energéticos compõem o cardápio da empresa, além de cigarros e salgadinhos. O ticket médio continua o mesmo, em torno dos R$ 70. O que mudou, diz Jessica, foi o comportamento da clientela.

"Antes, as pessoas começavam a pensar em bebidas no fim da tarde. Agora, os pedidos começam a chegar às 14", afirma ela.

Cerca de 80% dos pedidos são feitos pelo aplicativo iFood, que se encarrega das entregas. O restante, que chega à Bebida na Porta por meio do WhatsApp e de marketplaces, é despachado por motoboys que Jessica contrata. Seja qual for o método, a startup promete entregas entre 15 e 25 minutos depois do pedido.

De acordo com Juliana Berbert, a explosão na demanda experimentada pelos supermercados online, que estão levando dias ou semanas para entregar os pedidos, tem ajudado comerciantes locais e pequenos empreendedores.

Outro setor que vem experimentando bons resultados durante a pandemia é o de educação a distância.

Fundada em 2017, a plataforma Curseria tem 12 cursos online no portfólio, sobre os mais variados assuntos, de gastronomia a finanças.

Assim que o número de alunos começou a subir, os sócios Danilo Ricchetti Basso, 36, Celso Ribeiro, 34, e Cassiano Barletta, 39, reduziram o valor dos cursos em 40%. O ticket médio, que era de R$ 400, caiu para R$ 240.

O resultado, conta Danilo, foi muito além do esperado: as vendas aumentaram 300%.

Em segmentos específicos, como o de fitness, o crescimento chegou a 500% –um dos mais procurados é o curso do professor de educação física Chico Salgado, que ensina treinos de celebridades.

Em breve, outros 12 cursos serão lançados. Em um deles, a lutadora Kyra Gracie vai ensinar técnicas de defesa pessoal para mulheres.

O trio de sócios não poderia estar mais animado. "Faturamos R$ 8 milhões em 2019 e já estamos refazendo as contas para 2020. Podemos crescer mais de 100%", diz Danilo.

Jessica Gordon, da Bebida na Porta, também está recalculando a projeção de crescimento para o ano. A empresária aposta que os novos clientes vão incorporar o hábito de comprar online em caráter definitivo.

Na opinião da consultora do Sebrae-SP, o otimismo se justifica. Segundo a especialista, parte da transformação nos padrões de consumo permanecerá após o fim da quarentena. "Trata-se de uma nova tendência, não de modismo", afirma.

Veja também

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE
SONEGAÇÃO

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão
CONTA DE LUZ

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão