Empresas são interditadas por oferecer empréstimo irregular no Recife

De acordo com o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, as financiadoras de crédito funcionavam irregularmente por não apresentarem autorização necessária para conceder empréstimos consignados

Cinco financiadoras de créditos foram interditadas por conceder empréstimos irregularmenteCinco financiadoras de créditos foram interditadas por conceder empréstimos irregularmente - Foto: Kleyvson Santos/Folha de Pernambuco

Cinco financiadoras de crédito que concediam empréstimos consignados foram interditadas nesta quarta-feira (19) pelo Procon-PE. As empresas funcionavam no edifício Antônio Barbosa, na avenida Dantas Barreto, no bairro de Santo Antônio, área central do Recife, e só poderão funcionar novamente quando regularizarem suas situações. 

De acordo com o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, as financiadoras de crédito funcionavam irregularmente por não apresentarem autorização necessária, emitida pelo Banco Central. "As empresas abordadas nesta quarta funcionavam ilegalmente. Falta elas apresentarem os contratos com bancos e financeiras", disse o secretário. 

Leia também
Corpo de Bombeiros interdita bares na rua Mamede Simões
Fábrica de pipoca Kinitos é interditada por falta de higiene


Ainda de acordo com Pedro Eurico, as empresas, além de funcionarem após terem sido notificadas no último mês de setembro, não apresentavam as condições completas para os clientes. 

"Essas pessoas já haviam sido autuadas e muitas infelizmente não regularizaram a situação", informou. "A gente observou também que teve em uma das casas que não soube nem explicar qual é a taxa bancária que a empresa oferecia. Isso é crime. Como é que você pode conceder empréstimos consignados a uma pessoa e não informar a ela sobre a taxa de juros que está pagando?", questionou o secretário.

Caso essas empresas interditadas voltem a oferecer empréstimos consignados irregularmente, as empresas poderão pagar multas de até R$ 9 milhões. "A interdição é a primeira ação. Não cumprindo, serão multados e, na terceira reincidência, nós vamos encaminhar para a delegacia de defraudações", concluiu o secretário.

Veja também

Dólar abaixo de R$ 5 é oportunidade de compra, dizem analistas
COTAÇÃO DO DÓLAR

Dólar abaixo de R$ 5 é chance de compra, dizem analistas

Congressistas dos EUA debatem polêmica lei para regulamentar 'Big Techs'
Mundo

Congressistas dos EUA debatem polêmica lei para regulamentar 'Big Techs'