BRASIL

Entenda por que os preços dos combustíveis não caíram mesmo após a cobrança única do ICMS

A gasolina passa de R$ 7,20 (litro) enquanto, em alguns postos, o litro do diesel é superior a R$ 6,60

Postos de combustíveis já apresentam aumento dos preços após anúncio de reajustes da Petrobras sobre gasolina e dieselPostos de combustíveis já apresentam aumento dos preços após anúncio de reajustes da Petrobras sobre gasolina e diesel - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Abastecer o veículo ficou ainda mais complicado após o recente aumento nas refinarias anunciado pela Petrobras. Pensando em minimizar os impactos no reajuste, a Lei Complementar 192/22, aprovada na última sexta-feira (11), prevê a incidência por uma única vez do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, inclusive importados, com base em alíquota fixa por volume comercializado. 

Com a medida em vigor, era aguardada uma redução no valor dos combustíveis - algo que não aconteceu. É que os preços nas bombas de combustíveis continuam com o aumento após o anúncio do reajuste da Petrobras. A gasolina passa de R$ 7,20 (litro) enquanto, em alguns postos, o litro do diesel é superior a R$ 6,60. 

Segundo a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), o impacto imediato da Lei Complementar 192 é a redução no custo do PIS/Cofins do diesel e do biodiesel no valor de R$ 0,3312 por litro, para os postos.


“Em relação à declaração do presidente Jair Bolsonaro, que a redução do diesel deve baixar R$ 0,60 na bomba, não é possível ter certeza de que a diferença dos impostos estaduais será de R$ 0,27”, afirma a Fecombustíveis. 

Para o secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha, a medida federal, na prática, não reduz os valores dos combustíveis. Padilha, que é presidente do Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e Distrito Federal (Comsefaz), ainda avalia que a medida ignora a realidade brasileira e a diversidade dos Estados quando busca tratar igualmente realidades desiguais.

“A Constituição é clara ao designar aos Estados e Distrito Federal a competência de definir regras sobre as operações de combustíveis e lubrificantes, inclusive as relativas à apuração e à destinação do imposto”, critica Padilha.

O Comsefaz ainda deve marcar uma reunião para tratar sobre o ICMS e posição dos estados e só deve se pronunciar pós-reunião. 

Para o advogado tributário João Otávio Pimentel, no entanto, não há nenhuma obrigação das distribuidoras e postos em repassar a desoneração para os consumidores. “Há um regime de liberdade de preços e, embora fosse desejável, não há obrigação das distribuidoras e postos de baixar os preços ao consumidor final”, explica. 

Pimentel acrescenta que quem vai ditar os preços é o mercado. “Paridade de preços, valor do brent, dólar, a falta de capacidade para refinar o petróleo e a necessidade em importar o combustível pronto encarecem o preço final”, detalha.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Pernambuco (Sindicombustíveis), Alfredo Ramos, pondera que uma reforma tributária é outra medida importante a se fazer. A respeito dos preços dos combustíveis, Alfredo Ramos afirma que não é errado aumentar o preço nas bombas ao consumidor final. “Pode aumentar, o mercado é livre; não existe tabelamento de preços”, afirma. 

“Toda baixa de valor é bem-vinda, não ganhamos com aumento de imposto, mas, sim, com margem. Essas ações isoladas não têm duração se o mercado é volátil, com guerra, alta do barril do petróleo”, acrescenta Ramos. 
 

Alíquota do ICMS em Pernambuco 

Projeto de Lei 
Para o Comsefaz, o Projeto de Lei (PL) 1472/2021, de autoria do senador Rogério Carvalho (PT/SE), é a única alternativa que tem eficácia para conter os aumentos dos combustíveis.

O PL dispõe sobre diretrizes de preços para diesel, gasolina e gás liquefeito de petróleo – GLP, cria Fundo de Estabilização dos preços de combustíveis e institui imposto de exportação sobre o petróleo bruto. O PL foi aprovado no Senado e aguarda tramitação na Câmara Federal. 

Ainda segundo o Comsefaz, o PL estabelece a necessidade de os preços internos guardarem referência ao custo de produção e cria a conta de estabilização dos preços dos combustíveis, evitando que os reajustes do barril de petróleo no mercado internacional sejam repassados para o preço final dos combustíveis, como tem ocorrido.

Veja também

Quem precisa fazer prova de vida em 2024? Entenda como vai funcionar procedimento automático do INSS
inss

Quem precisa fazer prova de vida em 2024? Entenda como vai funcionar procedimento automático do INSS

Na China, vendas da Tesla e outros fabricantes de carros elétricos têm forte queda em fevereiro
MUNDO

Na China, vendas da Tesla e outros fabricantes de carros elétricos têm forte queda em fevereiro