Trabalho

Entidade defende trainee exclusivo para negros após ataques

Ceert (Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades), que desenvolve projetos voltados para a igualdade de raça e de gênero, defendeu o Magazine Luiza

Programa de Trainee voltado para pessoas negrasPrograma de Trainee voltado para pessoas negras - Foto: Reprodução/Twitter

O anúncio da Magazine Luiza, na sexta-feira (18), de que fará um trainee exclusivo para negros foi alvo de ataques no fim de semana, sob argumento de que a iniciativa seria ilegal e racista. No sábado (19), a juíza do Trabalho Ana Luiza Fischer Teixeira de Souza Mendonça afirmou no Twitter que o programa era inadmissível. Os deputados federais bolsonarisitas Carlos Jordy (PSL-SP) e Daniel Silveira (PSL-RJ) disseram que a iniciativa não teria respaldo legal.

"Discriminação na contratação em razão da cor da pele: inadmissível", escreveu Mendonça, que é juíza no TRT-3 (Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais) e integrou a comissão de redação da reforma trabalhista do governo Michel Temer (MDB).

Atualmente, é uma das coordenadoras do Gaet (Grupo de Altos Estudos do Trabalho), do Ministério da Economia. A comissão elabora desde o ano passado uma revisão nas leis do trabalho. "Na minha Constituição, isso ainda é proibido", afirmou a juíza ao responder um comentário feito na publicação.
Horas depois, a juíza apagou o tuíte e fechou sua conta no Twitter, restringindo o acesso apenas a seguidores.

Procurada, Mendonça não havia se pronunciado até a publicação desta reportagem. "Estou representando ao Ministério Público a loja @magazineluiza para que seja apurado crime de racismo no caso do programa de trainee só para negros. A lei 7.716/89 tipifica a conduta daquele que nega ou obsta emprego por motivo de raça", escreveu Jordy em seu perfil no Twitter.

Ainda no sábado, o colunista do jornal Folha de S.Paulo Thiago Amparo rebateu os ataques, em seu perfil no microblog: "Data venia, juíza não parece conhecer que 1) art. 39, do Estatuto de Igualdade Racial permite ação afirmativa em empresas; 2) o próprio MPT incentiva tais políticas; 3) os diversos casos em que o STF leu a Constituição como permitindo ação afirmativa".
 


Neste domingo (20), o Ceert (Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades), que desenvolve projetos voltados para a igualdade de raça e de gênero, defendeu o Magazine Luiza. Daniel Bento Teixeira, diretor da instituição, disse encarar os ataques com "estarrecedora normalidade".

Em artigo, escreveu que o programa "busca tão somente dar cumprimento a uma obrigação prevista no Estatuto da Igualdade Racial, em tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário".

Ele afirma ainda que reduzir as desigualdades sociais no Brasil é algo que "não pode ser feito sem programas que combatam o racismo, em sua estrutura, e promovam a equidade racial".

"Não surpreende, portanto, que as marcas desse modelo de desenvolvimento [do Brasil], alicerçado no colonialismo e no escravismo, ainda estejam tão presentes nas mentes e corações de muitos, como os que se incomodam com programas de trainee de empresas focados em jovens negros, a exemplo do que foi lançado pelo Magazine Luiza", afirmou no artigo.

Também neste domingo, em resposta às críticas, o Magazine Luiza defendeu o programa. "Estamos absolutamente tranquilos quanto à legalidade do nosso programa de trainees. Ações afirmativas e de inclusão no mercado profissional, de pessoas discriminadas há gerações, fazem parte de nota técnica de 2018 do Ministério Público do Trabalho."

Atualmente, o Magazine Luiza tem em seu quadro de funcionários 53% de pretos e pardos. Mas apenas 16% deles ocupam cargos de liderança.
"O objetivo do Magalu com o programa é trazer mais diversidade racial para os cargos de liderança da companhia, recrutando universitários e recém-formados de todo Brasil, no início da vida profissional", informou a empresa.

Segundo a varejista, o programa é o primeiro exclusivo para negros do Brasil. Ele foi desenvolvido em parceria com as consultorias Indique Uma Preta e Goldenberg, Instituto Identidades do Brasil, Faculdade Zumbi dos Palmares e Comitê de Igualdade Racial do Mulheres do Brasil. No sábado, a Bayer também anunciou que também terá um programa de trainees exclusivo para negros.

Conforme reportagem publicada pela Folha de S.Paulo na semana passada, um homem branco chega a ganhar em média quase 160% a mais do que uma mulher negra, mesmo quando ambos são formados em universidades públicas ou dentro de uma mesma profissão.

De acordo com pesquisadores do Insper, isso revela a discriminação contra negros e mulheres no acesso a empregos bem remunerados ou a posições de destaque dentro das empresas.

Veja também

Retomada surpreende shoppings, que veem mais concorrência com comércio eletrônico
Comércio

Retomada surpreende shoppings, que veem mais concorrência com comércio eletrônico

Dólar se afasta de mínimas com foco em negociações nos EUA
BOLSA DE VALORES

Dólar se afasta de mínimas com foco em negociações nos EUA