Entra em vigor a bandeira 2 em táxis de Pernambuco durante dezembro

Pegar um táxi no Estado está 20% mais caro. Este mês, o valor do km rodado é de R$ 2,79

Projeto tem o objetivo de atender à Política de Qualificação e Desenvolvimento profissional dos servidores de Caruaru.Projeto tem o objetivo de atender à Política de Qualificação e Desenvolvimento profissional dos servidores de Caruaru. - Foto: Arnaldo Félix

A partir desta quinta-feira (30), pegar um táxi ficará mais caro. Os quase 18 mil taxistas do Estado começam a praticar a bandeira 2 até as 22h do dia 31 de dezembro. A medida, que foi tomada a pedido da categoria, acontece todos os anos e visa garantir uma gratificação extra no período de festas, referente ao 13º salário dos profissionais. De acordo com o Sindicato dos Taxistas de Pernambuco, o acréscimo será de 20% em cima da bandeirada, que, até ontem, era de R$ 4,75. Ou seja, passa a custar R$ 5,70. Diante de tantas mudanças provocadas pelos aplicativos de transporte urbanos, os profissionais da área temem que esse seja mais um motivo para fuga de clientes.

Leia mais:
Aplicativos de táxi vão ofertar descontos


O valor do quilômetro rodado na Bandeira 2 é de R$ 2,79. O serviço de táxi especial de hotéis também vai passar a funcionar na Bandeira 2, que nesse caso é de R$ 3,35 por quilômetro rodado, sendo o valor da bandeirada R$ 5,76. No Recife, 6.126 táxis cadastrados estão autorizados a operar com essa permissão. No Aeroporto Internacional do Recife, o serviço de táxi especial terá uma tarifa adicional nas viagens, que já é utilizada aos domingos e feriados e entre 22h e 6h de segunda a sábado.

Já no Terminal Integrado de Passageiros (TIP), os táxis vão operar pela tabela B, que corresponde à Bandeira 2 desses veículos. Após o dia 31 de dezembro, os táxis devem voltar a operar normalmente. O preço do quilômetro rodado na Bandeira 1 do táxi comum é de R$ 2,31, conforme informações da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU).

Segundo o presidente do Sindicato da categoria, Everaldo Menezes, todos devem praticar o valor, porque o direito está previsto em Lei. “Independentemente disso, acreditamos que o cliente não deixará de usufruir do serviço”, disse, sem entrar na polêmica da evasão de usuários em função dos aplicativos de transporte alternativo. Para o taxista João José da Silva, 66 anos, a cobrança vai acontecer porque é o único jeito de cobrir os custos com gasolina e manutenção do veículo. “Não temos condições de cobrar um valor abaixo do praticado”, revela, destacando que, para não onerar ainda mais as contas, resolveu deixar os Apps. “O nosso ganho real ficava muito comprometido”, lamentou.

Já para o também taxista Francisco Carlos Dino, 37 anos, não há como fechar as portas para o mercado. O jeito foi se adaptar. Por isso, mesmo com a bandeira 2, o taxista continuará prestando o serviço com desconto via aplicativos, como o Easy, por exemplo. “No meu táxi, estarei praticando a bandeira 2. Mas, para os clientes que acionarem pelo Easy Economy, os descontos de 30% e sem bandeira 2 serão praticados”, adiantou. Inaldo Gomes, 50 anos, será mais flexível. “Se eu perceber que a corrida valerá a pena, posso não cobrar a bandeira 2. O esforço é para não perder a clientela, que já está muito pequena diante do cenário que vivemos”, avaliou.

Veja também

Justiça decreta falência da Avianca Brasil
aviação

Justiça decreta falência da Avianca Brasil

Bolsa se recupera e fecha no maior nível em quatro meses
BOLSA DE VALORES

Bolsa se recupera e fecha no maior nível em quatro meses