Equipe econômica não vê tempo de criar medidas para aliviar Orçamento de 2020

Apesar de medidas serem estudadas, a avaliação no Ministério da Economia é que não há como encaminhar as ações antes do prazo final dado pela legislação

Paulo Guedes ministro da Economia do governoPaulo Guedes ministro da Economia do governo - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A equipe econômica não vê tempo de criar medidas adicionais para aliviar as contas públicas antes de criar o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2020, que deve ser enviado ao Congresso até esta sexta-feira (30).

Apesar de medidas serem estudadas, a avaliação no Ministério da Economia é que não há como encaminhar as ações antes do prazo final dado pela legislação para a criação da PLOA (31 de agosto de cada ano).

Com isso, a avaliação atual é que a eventual criação de medidas ficará para depois e a decisão sobre inserir as mudanças na peça orçamentária ficaria com o relator do projeto na Câmara dos Deputados. O governo teria, então, que negociar com ele as alterações desejadas.

A tarefa deve ficar com o deputado Domingos Neto (PSD-CE), que foi designado como relator da peça em abril pelo presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), senador Marcelo Castro (MDB-PI).

Entre o rol de ações estudadas pelo governo para diminuir despesas, está o congelamento da progressão de cargos de servidores e suspensão de contratações do programa habitacional Minha Casa Minha Vida.

Leia também:
Teto de gastos deve impor restrição ainda maior ao Orçamento de 2020
Problema de orçamento do CNPq está “sendo resolvido”, diz ministro


O governo também tem sobre a mesa medidas já estudadas há meses, como a eliminação da multa de 10% sobre o FGTS e os cortes de repasses ao Sistema S (que ficariam entre 30% e 50%, conforme os planos do governo).

Conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo nesta semana, o teto de gastos pressiona o Orçamento de 2020 e o governo vê as despesas discricionárias em nível ainda menor que em 2019. O crescimento das obrigatórias (que incluem principalmente aposentadorias e salários) está tomando o espaço fiscal do governo.

Como o problema de 2020 é o teto de gastos, um eventual aumento de receitas não aliviaria a situação. São as despesas que teriam que ser cortadas para não haver descumprimento da regra fiscal. Por isso, a equipe econômica tem estudado alternativas.

O ministro Paulo Guedes (Economia) quer ir além e promover uma mudança estrutural. A intenção já declarada por ele é criar uma proposta de emenda constitucional (PEC) que retira todas as despesas obrigatórias do orçamento da União (o que afetaria também as destinações para saúde e educação).

Veja também

Mercado dá alerta sobre Renda Cidadã, precisamos ver mensagem, diz secretário do Tesouro
renda cidadã

Mercado dá alerta sobre Renda Cidadã, precisamos ver mensagem, diz secretário do Tesouro

Antecipação do INSS poderá ser pedida sem limitação de distância
inss

Antecipação do INSS poderá ser pedida sem limitação de distância