Especialista em finanças diz ser possível sair do vermelho

Para isso, é preciso planejar os ganhos. Poupar para poder acertar as contas

Cantor BeloCantor Belo - Foto: Reprodução/Divulgação

 

Este mês foi o aniversário do marido da biomédica Zélia Revoredo. Diferente dos festões que costumavam embalar a data na casa do casal, este ano, o orçamento apertado só deu para bancar a conta do bolo com refrigerante. De convidados, somente a família e os amigos mais próximos. Para quem sempre gostou de cozinhar, agradar os de casa e fazer mimos a sobrinha, a situação econômica atual é - de longe - bastante frustrante.
E, infelizmente, de uns tempos para cá, com o aperto da crise econômica, o hábito da família Revoredo teve que sofrer algumas mudanças. A principal delas ficou sob a responsabilidade de Zélia: adotar métodos eficazes para reduzir os gastos, conseguir pagar as contas e seguir no azul. Mas a biomédica mão está sozinha neste barco. Pelo contrário, ela integra o universo de 45% dos brasileiros que, com a recessão, enfrentam a mesma dificuldade, segundo dados recentes do relatório da empresa de pesquisa de mercados GfK.
A boa notícia é que, mesmo nessas situações, é possível ter jogo de cintura e reverter o jogo. O primeiro passo é não se desesperar e voltar os olhos o orçamento familiar. “O ideal é chegar ao equilíbrio entre o que se ganha e os gastos”, indica o analista financeiro, Roberto Ferreira, que emenda: “o relatório de tudo que entra e sai tem que ser diário. É fundamental se planejar”.
Por isso que Zélia e a família tem uma política de ‘economia total’. Na hora do banho, todo cuidado é pouco para não desperdiçar água. Quando sai de um cômodo, é obrigatório desligar a luz. Lavar roupa, só no modo econômico e com água do poço.

Iluminação externa é a partir de energia solar. Passar ferro em roupas, apenas em ocasião especial. “Além dessas reduções que ajudam, eu pego meu salário e já destino para cada despesa - desde comida às contas”, conta Zélia.
Na perspectiva do especialista Ferreira, Zélia faz muito bem. Mas alerta aos outros: “não adianta saber tudo na teoria e não colocar em prática”. Para isso, ele insiste que é preciso se organizar e fazer uma lista de despesas. “Depois de ordenar uma lista de prioridades e despesas fixas (como contas e tudo aquilo indispensável) e despesas variáveis obrigatórias (como alimentação), o que sobrar pode ser gasto com supérfluos”, aconselha.

 

Veja também

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões
Economia

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões

CMN flexibiliza regras para crédito rural a pequenos produtores
Economia

CMN flexibiliza regras para crédito rural a pequenos produtores