Espetacularização levou à debacle da economia, diz indicado à PGR

Augusto Aras deu a declaração em uma entrevista concedida em maio ao programa Ponto a Ponto, da BandNews TV, que é apresentado pela jornalista Mônica Bergamo

Augusto Aras Augusto Aras  - Foto: Roberto Jayme/TSE

O subprocurador Augusto Aras, indicado por Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (5) para assumir a PGR (Procuradoria-Geral da República), diz que o "corporativismo institucional" do MPF (Ministério Público Federal) gerou uma "personalização" de membros do órgão que levou à "debacle [ruína] da economia do país".

Ele deu a declaração em uma entrevista concedida em maio ao programa Ponto a Ponto, da BandNews TV, que é apresentado pela jornalista Mônica Bergamo, que também assina coluna no jornal Folha de S.Paulo, e pelo cientista político Antônio Lavareda. A conversa foi reprisada nesta quinta.

Na conversa, Aras, que já estava em campanha para o cargo, afirmou também que a espetacularização de investigações atacou a honra de pessoas inocentes.

Leia também:
Indicação de Aras é 'retrocesso democrático e institucional', diz associação
Bolsonaro ignora lista tríplice e diz a Augusto Aras que o indicará à PGR

"Suspeitos investigados não tiveram suas honras preservadas", afirma ele. "Vimos atentados à honra de centenas de pessoas que vieram a ter seus processos arquivados, seja na atual gestão da procuradora-geral da Republica [Raquel Dodge], seja na gestão anterior [de Rodrigo Janot]", disse. Aras citou ainda os EUA como exemplo.

Segundo ele, "lá, na fase inquisitorial não se menciona nomes de autores nem se revelam fatos para preservar a identidade, a honorabilidade [de cidadãos investigados]".

Já no Brasil "criminalizou-se a política, esquecidos, aqueles que assim o fizeram e o fazem ainda, que onde houver mais de duas pessoas a solução é politica porque nós não convivemos em um grupo social sem política. A antítese da politica é a guerra".

Seguiu ele: "No Brasil, [houve] uma relação corporativismo institucional em que a personalização, proibida expressamente na Constituição federal, a pessoalização desses membros [do Ministério Público] sem controle efetivo das corregedorias gerou inclusive a deblacle [ruína] da economia do país. Temos hoje 14 milhões de desempregados".

Aras fez campanha sem se submeter à escolha da lista tríplice, em que procuradores elegem três nomes que são enviados ao presidente da República, na expectativa de que ele escolha o comandante da PGR entre os escolhidos.

Ele diz que a lista é ilegítima e gerou uma série de distorções. A primeira delas teria sido "aglutinar aqueles que querem uma boquinha na instituição [MPF]. E essa instituição não admite boquinha. Boquinha é coisa para outras instituições, não para o Ministério Público".

Além da distribuição de "prebendas e sinecuras" para procuradores, o sistema fez com que o MPF fosse consumido num "ambiente de pão e circo que estranho ao ambiente das instituições contra-majoritarias".

A escolha de procuradores-gerais da República teria criado "um ambiente corporativista que se sustenta perante a opinião publica".

Para ele, instituições do sistema judicial como o MPF "não se submetem à opinião publica, não se submetem ao clamor popular".

Jesus Cristo, diz, foi vitima de um julgamento popular "pelo princípio da maioria e não pelas leis porventura vigentes [na época] que pudessem proporcionar-lhe ampla defesa em um devido processo legal".

O subprocurador evita, no entanto, críticas diretas à Operação Lava Jato, que diz ter sido um "ponto de inflexão no sistema de Justiça do país".

Veja também

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Mega-Sena deve pagar R$ 22 milhões neste sábado
Sorteio

Mega-Sena deve pagar R$ 22 milhões neste sábado