Estaleiro Atlântico Sul encerra atividades em Pernambuco

Sem novas encomendas programadas, estaleiro reduziu suas operações no Estado

Estaleiro Atlântico SulEstaleiro Atlântico Sul - Foto: Clemilson Campos/Arquivo Folha

Com a última entrega realizada em junho passado e sem previsão de novas encomendas, o Estaleiro Atlântico Sul vai suspender as atividades no Complexo Industrial Porto de Suape.

A Empresa, que chegou a empregar mais de 6 mil funcionários, já trabalhava há um certo tempo com o mínimo possível para dar conta da manutenção dos navios construídos, menos de 200 empregados.

Por meio de nota, no entanto, a empresa não admite o encerramento das operações. “As atividades do EAS foram reduzidas de forma planejada após a entrega da última encomenda firme recebida pelo estaleiro, no caso um modelo Aframax, entregue à Transpetro no último dia 24 de junho”, afirma documento, que completa dizendo que o estaleiro vem procurando alternativas para continuar suas operações. “As tratativas com os interessados estão em fase de desenvolvimento, portanto ainda não firmes”, finaliza material.

Leia também:
Setor naval: sem garantias para o futuro
Uma chance para o setor naval
Por dentro do setor naval
  

O presidente do Porto de Suape, Leonardo Cerquinho não enxerga com surpresa com o anúncio da redução das atividades do EAS. “Eles já vinham reduzindo há muito tempo as atividades, tanto que essa última redução não tem mais o impacto do começo. Enquanto estado, estamos limitados em relação às ferramentas para ajudar o estaleiro a ter garantias de novas encomendas e financiamentos dos bancos federais, o que depende realmente da postura do governo federal”, diz Cerquinho.

Para o presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore, Sérgio Bacci, o anúncio do EAS vai de encontro com a realidade do setor naval brasileiro. “Não há como se manter aberto e operante sem encomendas. Não tem obra, não tem como pagar. Se não tiver uma mudança na maneira do governo Federal enxergar a situação do setor, dificilmente teremos estaleiro aberto ano que vem”, prevê Bacci.

Ele ressalta que é necessário alguma política que abranja o setor, que já empregou no País cerca de 84 mil pessoas e que atualmente conta com cerca de 17 mil. “Estamos tentando mostrar a importância desse setor, que teve um alto investimento no passado por parte do governo Federal, cerca de $5 bilhões, e que caminha para um fim triste”, comenta, lamentando a falta de diálogo com o ministério da Infraestrutura, pasta que integra o setor. “Não estamos tendo do governo boa vontade em nos escutar. Desde que assumiu, tentamos uma audiência com o ministro (Tarcísio Freitas), mas até a presente data, não obtivemos nenhum sucesso”, completa o presidente do Sinaval.

Sobre o assunto, a reportagem procurou o ministério da Infraestrutura, mas até o fechamento desta edição o mesmo não havia formulado uma resposta à nossa demanda.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco, Henrique Gomes, o encerramento das atividades do EAS custou o emprego de mais de cem funcionários que ainda trabalharam no segmento de reparos do estaleiro pernambucano. “Em encontro semana passada, o Estaleiro formalizou que ficará com no máximo 35 trabalhadores que ainda estão na carência de estabilidade da Cipa até o próximo ano e que não tem previsão de retorno na fabricação de navios em Pernambuco”, diz o sindicalista que não verificar um futuro concreto para o setor no estado, enquanto o EAS afirma que “a diretoria continua a trabalhar com o objetivo de encontrar um caminho que melhor atenda aos interesses da Companhia e seus stakeholders, incluindo acionistas, agentes financeiros, e a comunidade pernambucana”, conclui nota.

Vard
Enquanto o EAS segue sem previsão de retornar as atividades, o Vard Promar que conta com cerca de 80 funcionários no estaleiro, também em Suape, tenta se manter firme no mercado. Segundo a companhia, o estaleiro, que em março perdeu a licitação para construção das quatro corvetas da Marinha Mercante, que inclusive está em análise para ser contestada no Tribunal de Contas da União (TCU), continua na busca de novas obras e segue mantido em Pernambuco pelo Fincantieri.

Veja também

Três nomes da equipe econômica são cotados para substituir Waldery na Fazenda
economia

Três nomes da equipe econômica são cotados para substituir Waldery na Fazenda

Maia afirma que tema do meio ambiente não pode ser disputa política
meio ambiente

Maia afirma que tema do meio ambiente não pode ser disputa política