A-A+

Estatais federais reduzem em 71 mil o número de funcionários em cinco anos

Os dados mostram uma reorientação na gestão das empresas após uma era de expansão contínua no quadro de pessoal, de 2006 a 2014

PetrobrasPetrobras - Foto: Agência Petrobras/Geraldo Falcão

Revertendo um crescimento observado durante os governo do PT, as estatais federais reduziram o número de funcionários em 71 mil ao longo dos últimos cinco anos. O número atual de contratados, 481.850 pessoas, representa uma diminuição de 12,8% em relação o auge observado ao fim de 2014.

Os dados mostram uma reorientação na gestão das empresas após uma era de expansão contínua no quadro de pessoal, de 2006 a 2014, que terminou com 552.856 funcionários. O crescimento acumulado no período, dentro dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (ambos do PT), foi de 28,1%.

A reversão começou em 2015, ainda sob Dilma (naquele ano, houve corte de 0,5% em relação a um ano antes). O enxugamento foi acelerado durante a gestão de Michel Temer (corte de 3,4% em 2016, 5,1% em 2017 e 1,6% em 2018) e continuou no primeiro ano de Jair Bolsonaro (retração de 2,9% ao fim do terceiro trimestre, na comparação com o fim de 2018).

Leia também:
Ministério de Infraestrutura estuda fusão de três estatais
Mourão fala em privatizar estatais para equilibrar contas do governo


A Petrobras foi a que mais reduziu o número de funcionários desde o fim de 2014, com corte de 18% das vagas (para 46.536 contratados atualmente). Os Correios ficaram em seguida, com um efetivo 17,2% menor (para 99.735 pessoas). A Caixa registrou um corte de 15,5% no período, para 85.086 funcionários. No Banco do Brasil a retração foi de 14,1%, para 98.114.

O secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério da Economia, Fernando Soares, afirma que os cortes são decorrentes de uma política de governo voltada à redução de despesas. "A orientação é que a atividade das estatais seja feita, do ponto de vista pecuniário e da geração de política pública, com os menores custos possíveis", afirma.

Ele afirma que a redução foi registrada após o governo criar diferentes programas de demissão voluntária (PDV) e limitar o preenchimento de vagas geradas pelas saídas, também ocasionadas por aposentadorias e outros tipos de demissão.
A Petrobras, por exemplo, lançou ao menos três PDVs em 2019. Em um deles, estimou que a participação de 4,3 mil empregados teria um custo de R$ 1,1 bilhão e retorno de R$ 4,1 bilhões até 2023.

O secretário defende que a redução dos quadros das estatais não reduz a capacidade de prestação de serviço público e que a qualidade das atividades seria assegurada pela regulamentação em vigor e pela fiscalização das agências reguladoras.

Mesmo assim, ele ressalta que a análise sobre as reduções é feita caso a caso e conforme a atividade da empresa. No caso dos bancos e dos Correios, por exemplo, é exigido um quadro maior devido à necessidade de atendimento em agências físicas espalhadas pelo país.

O secretário diz ainda que a redução do quadro, tendo como carro-chefe o PDV, vai se manter como uma política para os próximos anos. "Vamos continuar. Posso dizer que com certeza o quatro trimestre de 2019 vai ter mais queda e 2020 vai ter mais redução", disse.

Veja também

Arco-Vita inaugura nova loja em Ipojuca com 250 empregos
Inauguração

Arco-Vita inaugura nova loja em Ipojuca com 250 empregos

Inflação para os mais ricos deve subir com retomada de serviços
Economia

Inflação para os mais ricos deve subir com retomada de serviços