A-A+

Estrangeiro sai da Bolsa em velocidade recorde e tira R$ 34,9 bi em janeiro e fevereiro

Em 2020, o saldo de investimento estrangeiro em ações brasileiras está negativo em R$ 34,9 bilhões

DinheiroDinheiro - Foto: Pixabay

Em janeiro e fevereiro, os estrangeiros saíram em velocidade recorde da Bolsa brasileira. Por dia de pregão em 2020, são R$ 918 milhões a menos de investimento estrangeiro. Em 2019, o ritmo de evasão foi de R$ 179,5 milhões. Em 2008, ano de maior saída de estrangeiros em termos reais (corrigidos pela inflação), a retirada, em média por pregão, foi de R$ 180 milhões.

Em 2020, o saldo de investimento estrangeiro em ações brasileiras está negativo em R$ 34,9 bilhões. Em todo o ano de 2019, sem contar IPOs e follow-ons (oferta inicial e subsequente de ações, respectivamente), saíram R$ 44,5 bilhões.

Leia também:
Bolsa de Valores abre em queda e dólar sobe para R$ 3,69
Bolsa cai abaixo dos 100 mil pontos e dólar bate os R$ 4,51
Dólar abre com alta de 0,6% e atinge R$ 4,50; Bolsas europeias caem


Neste ano, marcado pelo temor de investidores com o impacto econômico do coronavírus, os estrangeiros retiraram mais recursos da Bolsa do que nos dez primeiros meses de 2019. Na última quarta-feira (26), quando o Ibovespa despencou 7% com o aumento do número de casos da doença fora da China, saíram R$ 3 bilhões.

Segundo Álvaro Bandeira, economista-chefe do banco Modalmais, essa é a maior retirada diária da Bolsa dos últimos anos. "Como o mercado brasileiro é mais líquido do que [o de] outros emergentes, a saída por aqui é mais rápida", diz Bandeira.

Caso sejam consideradas as ofertas de ações, que em 2019 tiveram a terceira maior captação da série histórica da Anbima (entidade do mercado de capitais), a saída de estrangeiros no ano passado cai para R$ 4,7 bilhões. Em 2020, considerando os follow-ons de janeiro, cai para R$ 33,7 bilhões.

Segundo analistas, a forte retirada de estrangeiros se deve a uma combinação de fatores: o momento de aversão a risco global com o coronavírus e a desaceleração econômica, a economia brasileira fraca e o risco político que pode afetar as reformas.

No ano, a Bolsa brasileira caiu 10%, o pior desempenho anual desde 2015, quando a Bolsa caiu 13,3% em um período marcado pela abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff (PT).

A saída de estrangeiros do Brasil não ocorre apenas no mercado de ações. Em janeiro de 2020, o saldo de operações financeiras em dólar foi negativo em US$ 384 milhões, segundo dados do Banco Central. Em 2019, o saldo foi negativo em US$ 44,76 bilhões.

"O início do ano foi muito marcado pela preocupação de não aumentar muito a exposição ao risco no Brasil por não termos qualquer definição para as reformas, que são essenciais para ajustar a economia", afirma Bandeira. O economista aponta que estrangeiros podem voltar caso haja encaminhamento das reformas e o coronavírus seja contido.

"A saída de estrangeiros pode até parar por aí, mas não vai haver entrada. Se o país vai crescer menos de 2% este ano, por que trazer dinheiro para cá?", diz José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do banco Fator.

O Fator prevê um crescimento de 1,4% para o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2020. A expectativa do mercado, segundo o boletim Focus, é de 2,2%.
Segundo Gonçalves, a recente crise entre o governo Bolsonaro e o Congresso "só assusta mais o estrangeiro".

A relação entre o governo de Jair Bolsonaro e o Congresso voltou a ficar abalada nas últimas semanas, após o ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, chamar o Congresso de "chantagista" pela dificuldade de Executivo e Legislativo chegarem a um acordo sobre a divisão do dinheiro dentro do chamado Orçamento impositivo.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), repudiaram a fala de Heleno.

Dias depois, o presidente incentivou um ato de ativistas conservadores contrário ao Congresso e em defesa de militares e do atual governo.

Tanto investidores como a equipe econômica de Paulo Guedes, ministro da Economia, temem que as tensões possam afetar o ritmo de avanço das reformas.
"O atrito de Bolsonaro com o Congresso é algo preocupante, uma vez que é contínuo e põe em risco a celeridade do processo de apreciação das reformas, principal driver econômico do país no curto prazo. O cenário externo no momento é adverso, mas, se a assimetria política e econômica fosse menor, possivelmente poderíamos ter tido menos impacto", afirma Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos.

"Hoje a principal pressão nos mercados não é o problema entre Congresso e Bolsonaro, mas nos ajuda a termos uma desvalorização maior. Saudades da época em que o único problema que tínhamos era a aprovação da reforma da Previdência", afirma Fabrizio Velloni, chefe da mesa de câmbio e sócio da Frente Corretora.

Na última semana, de queda acumulada de 8,3%, a Bolsa voltou ao mesmo patamar de outubro, mês da aprovação da Previdência no Senado. Na sexta (28), o Ibovespa subiu 1,15% e fechou a 104 mil pontos. O risco-país brasileiro medido pelo CDS (Credit Default Swap) de cinco anos também retrocedeu à pontuação de cinco meses atrás. Na sexta, subiu 10%, para 131 pontos.

Apesar da piora no cenário, muitos brasileiros continuam a migrar para a renda variável em busca de rendimentos maiores que a renda fixa -com a Selic na mínima histórica de 4,25% ao ano, algumas modalidades têm investimento real negativo. Em janeiro, eram 1,8 milhão de CPFs na Bolsa, 150 mil a mais que em dezembro de 2019.
"Enquanto o governo tiver chance de fazer algo pelas reformas, o mercado brasileiro vai aguentar e dizer que está tudo bem, mas estrangeiros já dizem que a semelhança entre Venezuela e Brasil está maior agora do que antes", diz Gonçalves, do Fator.

Veja também

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 40 milhões
Loterias

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 40 milhões

Bolsa tem leve queda com ajuste do mercado à alta da Selic
Ibovespa

Bolsa tem leve queda com ajuste do mercado à alta da Selic