EUA travam o processo de análise para o Brasil ingressar na OCDE

A adesão é valorizada pelo Brasil porque aumentaria a confiança internacional no país, ajudando até a reduzir o custo da dívida pública, segundo disse o presidente do BC

Presidente do Banco Central, Ilan GoldfajnPresidente do Banco Central, Ilan Goldfajn - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nove meses após o pedido de entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), os EUA travam o início do processo de análise da solicitação dentro do organismo internacional.

A entidade lançou nesta quarta (28), em Brasília, amplo relatório com diagnósticos e soluções para os problemas da economia brasileira. A adesão é valorizada pelo Brasil porque aumentaria a confiança internacional no país, ajudando até a reduzir o custo da dívida pública, segundo disse o presidente do BC, Ilan Goldfajn, no lançamento do estudo.

Quando o pedido foi formalizado, em junho, a expectativa era que seria respondido em dois meses e que, então, o processo de análise começaria. Até agora, nenhuma resposta foi dada, já que os americanos votaram contra. O país defende que a entidade, hoje com 35 países membros, se mantenha uma espécie de "clube dos ricos".

Leia também:
OCDE recomenda cortes de gastos para economizar até 7,9% do PIB
OCDE diz que economia brasileira deve crescer 1,9% em 2018


Ou seja, um grupo menor, sem posições divergentes. Segundo a reportagem apurou, integrantes do governo brasileiro vão constantemente aos Estados Unidos para conversar com autoridades e empresas tentando ganhar apoio.

A avaliação, porém, é que a melhor chance é conseguir do presidente Donald Trump um apoio público à ideia, como fez o presidente argentino Mauricio Macri, no ano passado. Além do país vizinho, outras quatro nações pleiteiam a entrada: Peru, Bulgária, Croácia e Romênia.

Defensor
Em razão dessas reservas por parte dos EUA, o processo de adesão, se aceito, pode levar cerca de três anos -a expectativa inicial do governo brasileiro era de dois anos.
O Brasil tem um defensor no secretário-geral da entidade, o mexicano Ángel Gurría.

Em entrevista nesta quarta, tanto Gurría quando o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, relativizaram a demora no processo brasileiro. "O Ángel tem sido um parceiro importante, um defensor incansável para esclarecer dúvidas e eliminar resistências", disse Meirelles.

Gurría lembrou que, devido ao tamanho do Brasil, a expectativa é que o tempo de análise seja maior. "O comitê de pesca da OCDE, por exemplo, deseja falar com o Peru e com o Chile, mas com o Brasil todos [os comitês da OCDE] desejam falar."

Para o secretário de Assuntos Internacionais, Marcello Estevão, uma vez iniciado o processo formal, será rápido. "Fizemos o dever de casa", disse, referindo-se à ampla participação que o país já tem nas discussões da entidade.

Veja também

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídricaCrise Hídrica

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídrica

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e FedBolsa de valores

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e Fed