Expectativa de inflação dos brasileiros retorna a mínimo histórico

Projeção é que taxa acumulada fique em 4,8% nos próximos 12 meses

InflaçãoInflação - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os brasileiros acreditam que a taxa de inflação acumulada ficará em 4,8% nos próximos 12 meses, segundo pesquisa realizada em maio pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A taxa é inferior aos 5,1% da pesquisa feita em abril e aos 5,4% de maio do ano passado. Com o resultado de maio, a expectativa dos brasileiros em relação à taxa de inflação retornou ao mínimo da série histórica da FGV.

Leia também:
Incerteza da economia tem recorde histórico pelo segundo mês, diz FGV
IGP-M acumula taxa de inflação de 6,22% em 12 meses

A pesquisa é feita com base em entrevista a consumidores de sete capitais ((Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Brasília e Recife), que respondem à seguinte pergunta: Na sua opinião, de quanto será a inflação brasileira nos próximos 12 meses?

“Após o susto com a aceleração dos preços dos alimentos no fim de março e abril, a expectativa de inflação dos consumidores volta ao menor nível da série histórica. Esse resultado é reflexo tanto de um cenário atípico de deflação de alguns dos principais itens, quanto da expectativa do mercado de valores, cada vez menores para a inflação oficial (IPCA)”, afirma Renata de Mello Franco, pesquisadora da FGV.

Ela acredita, no entanto, que, com a pandemia do novo coronavírus (covid-19), as famílias têm concentrado gastos com itens de maior necessidade, como os alimentos, cuja taxa tem ficado acima da média do IPCA, o que deve fazer com que os brasileiros passem a acreditar em uma inflação muito acima da projetada pelo mercado.

Veja também

Municípios do Sertão pernambucano poderão retomar atividades econômicas
Plano de Convivência

Municípios do Sertão pernambucano poderão retomar atividades econômicas

Privatização da Eletrobras ajudará governo a resolver pedalada no reajuste da energia em 2022
Economia

Privatização da Eletrobras ajudará governo a resolver pedalada no reajuste da energia em 2022