Economia

Exportações brasileiras crescem 2,8% em janeiro e registram 1ª alta na pandemia

Importações tiveram redução de 1%, com US$ 16,9 bilhões

EconomiaEconomia - Foto: Agência Brasil

As exportações brasileiras somaram US$ 15 bilhões em janeiro, alta de 2,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Este é o primeiro crescimento nessa base de comparação desde a chegada do coronavírus ao país, em março. Os dados foram divulgados pelo BC (Banco Central) nesta quarta-feira (24).
 
As importações tiveram redução de 1%, com US$ 16,9 bilhões, mas a queda foi bem menor que a registrada nos meses anteriores, que chegou a dois dígitos nos meses mais críticos.
 
Com isso, a balança comercial teve resultado negativo de US$ 1,9 bilhão em janeiro, segundo déficit em 11 meses. Dezembro foi deficitário em US$ 881,6 milhões.
 
A balança comercial normalmente apresenta superávit em momentos de baixa atividade econômica, já que o país importa mais nas épocas de expansão.
 
Na prática, todo o nível de comércio exterior diminuiu em 2020. Tanto as exportações quanto as importações caíram, mas a redução no fluxo de entrada de produtos estrangeiros no país foi mais acentuada e puxou os resultados positivos líquidos.
 
Mesmo com a flexibilização do isolamento social, as viagens internacionais permanecem em baixa. Os brasileiros turistas gastaram US$ 307,7 bilhões no exterior em janeiro, queda de 79% em relação ao mesmo mês de 2020.
 
Os estrangeiros desembolsaram US$ 268,5 bilhões no país, volume 60% menor que em janeiro do ano passado.
 
O total das contas externas, chamado de transações correntes, fechou janeiro com o segundo déficit seguido no mês, com US$ 7,3 bilhões. Após a pandemia, o indicador registrou oito meses de superávit puxados pela balança comercial.
 
Com a normalização da balança, o resultado voltou a ficar negativo, mas ainda foi menor que o registrado em janeiro de 2020, de déficit de US$ 10,3 bilhões.
 
No acumulado dos últimos 12 meses, o déficit em transações correntes foi de US$ 9,4 bilhões, o equivalente a 0,65% do PIB (Produto Interno Bruto).
 
Investimentos
Os investimentos diretos no país somaram US$ 1,8 bilhão em janeiro de 2021 em ingressos líquidos (diferença entre entradas e saídas), mais que o dobro do registrado em dezembro, de US$ 738 bilhões.
 
O montante, entretanto, ainda é menor do que os observados antes da crise. No mesmo mês do ano passado, o volume foi de US$ 2,7 bilhões, por exemplo.
 
Os investimentos de brasileiros no exterior foram de US$ 2,3 bilhões líquidos em janeiro. No acumulado dos 12 meses, porém, houve movimento de maior retirada que entrada de aplicações, com US$ 17,3 bilhões líquidos.


Ou seja, as empresas retiraram dinheiro das suas aplicações no país no período mais crítico da pandemia.
 
Os investimentos diretos, diferentemente das aplicações em ações e títulos públicos, são feitos por empresas que estabelecem um relacionamento de médio e longo prazo com o país e são menos voláteis em crises momentâneas por envolver decisões mais duradouras.
 
Em contrapartida, o volume aplicado em ações e títulos públicos brasileiros mostrou recuperação. Em janeiro houve ingresso líquido de papéis negociados no mercado doméstico pelo oitavo mês consecutivo, de US$ 6,2 bilhões.
 
Nos últimos 12 meses, os investimentos em carteira somaram saídas líquidas de US$ 3,8 bilhões.

Veja também

Em meio à pandemia de Covid-19, vetos ao Orçamento cortam recursos para saúde, educação e obras
Cortes

Em meio à pandemia, vetos ao Orçamento cortam recursos para saúde, educação e obras

Pão francês só poderá ser comercializado por quilo a partir de junho
Inmetro

Pão francês só poderá ser vendido por quilo a partir de junho