A-A+

Extinção de cargos não impactará combate a doenças, diz Saúde

Atribuição de agentes comunitários é descentralizada para prefeituras

Ministro da Saúde, Luiz Henrique MandettaMinistro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta - Foto: Arquivo/Agência Brasil

A extinção de 27,5 mil cargos federais não afetará a vigilância e o combate a doenças transmissíveis, informou nesta segunda-feira (23) o Ministério da Saúde. Segundo a pasta, as atividades de monitoramento, prevenção e controle foram descentralizadas para os estados e os municípios, conforme uma emenda constitucional e uma lei de 2006.

“Essas atividades já são desempenhadas pelos 260,2 mil agentes comunitários de saúde (ACS) e 72,3 mil agentes comunitários de endemias (ACE) distribuídos em todo o país e que realizam visitas domiciliares regulares (conforme a EC 51/2006 e a Lei nº 11.350/2006)”, informou o ministério. A pasta reiterou que as ações de acompanhamento, vigilância e controle de doenças transmissíveis, como dengue, estão preservadas.

Leia também:
Confira a lista de cargos extintos ou vedados pelo governo
Decreto extingue 27,5 mil cargos 'obsoletos' no Governo Federal


Órgão mais impactado pelo decreto de extinção de cargos, o Ministério da Saúde sofrerá redução de 22.476 postos de trabalho, o equivalente a 81% dos cargos extintos. Apenas no cargo de agente de saúde pública, a pasta fechará 10.661 cargos.

Segundo o ministério, a maior parte dos cargos extintos está vaga há anos. Os cargos ainda ocupados só serão extintos à medida que os servidores se aposentarem, forem demitidos ou falecerem.

Veja também

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto
Ibovespa

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro
Tesouro nacional

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro