Facebook pagou por transcrição de arquivos de áudio de usuários

De acordo com a Bloomberg, o Facebook confirmou que tem feito a transcrição de áudios de usuários e disse que não vai manter a prática

FacebookFacebook - Foto: Pexels

O Facebook pagou centenas de terceirizados para transcrever arquivos de áudio dos seus usuários, segundo reportagem publicada pela agência de notícias Bloomberg nesta terça-feira (13).

De acordo com o texto, que cita como fonte pessoas familiarizadas com o assunto, os terceirizados não foram informados sobre onde os áudios foram gravados e como foram obtidos, apenas receberam a tarefa de transcrever as mensagens. Os trabalhadores estariam ouvindo conversas de usuários, algumas com "conteúdo vulgar", sem saber por que o Facebook queria a transcrição, afirma a reportagem.

Ainda de acordo com a Bloomberg, o Facebook confirmou que tem feito a transcrição de áudios de usuários e disse que não vai manter a prática. "Nós paramos a revisão humana dos áudios há mais de uma semana", afirmou à Bloomberg.

Leia também:
Cenp reconhece Google e Facebook como veículos de mídia
Tesouro americano alerta Facebook sobre possível mau uso de criptomoeda
WhatsApp, Facebook e Instagram voltam a funcionar após dia de instabilidade

O Facebook disse que usuários afetados teriam escolhido, no aplicativo de mensagens, a opção de ter seus áudios transcritos.

Os terceirizados estariam checando se a inteligência artificial do Facebook interpretou corretamente as mensagens, mas sem saber a identidade do autor do conteúdo.

Grandes empresas como Amazon e Apple também foram criticadas recentemente por coletar áudios e submeter o conteúdo a revisão humana, o que coloca em discussão o respeito à privacidade dos usuários.

Em abril, a Bloomberg fez uma reportagem dizendo que a Amazon tinha uma equipe com milhares de trabalhadores espalhados pelo mundo ouvindo os pedidos feitos por usuários ao sistema de assistência digital Alexa.

A reportagem afirmava que a prática era usada também pelo sistema Siri, da Apple, e pelo Assistant, do Google.

Segundo a Bloomberg, ao menos uma empresa que faz essa revisão das conversas é a TaskUs Inc., baseada na Califórnia e com representações em vários países.

O Facebook é um dos maiores clientes da TaskUs, mas os empregados não podem mencionar publicamente para quem trabalham. Eles chamam o cliente pelo codinome "Prism", diz a reportagem.

Em julho, a FTC (na sigla em inglês, Comissão Federal de Comércio, órgão de defesa do consumidor dos Estados Unidos) fechou um acordo de US$ 5 bilhões (cerca de R$ 20 bilhões) com o Facebook, por uso indevido de informações pessoais de usuários.

A investigação começou depois de relatos de que dados pessoais de dezenas de milhões de usuários do Facebook foram indevidamente passados à Cambridge Analytica, empresa de dados que trabalhou na campanha de Donald Trump em 2016.

Em 2018, o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, chegou a ser pressionado por investidores a abandonar o conselho da companhia diante de uma série de episódios ligados a violações de privacidade e falta de transparência.

Veja também

Secretário Lucas Ramos anuncia compra de software para monitoramento da vacinação
PERNAMBUCO

Secretário Lucas Ramos anuncia compra de software para monitoramento da vacinação

Aneel mantém tarifa de bandeira amarela para março
Energia

Aneel mantém tarifa de bandeira amarela para março