Faturamento da indústria desacelera em fevereiro, diz CNI

Apesar da desaceleração, em relação ao mesmo mês de 2019, o índice de crescimento em fevereiro ficou em 0,9%

Trabalho em indústria Trabalho em indústria  - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O faturamento da indústria sofreu uma desaceleração em fevereiro. O aumento de 0,2% em relação a janeiro é baixo na comparação da alta de 2,3% registrada de dezembro para janeiro, informou nesta quarta (8) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Apesar da desaceleração, em relação ao mesmo mês de 2019, o índice de crescimento em fevereiro ficou em 0,9%.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) registrou alta de 1,2 ponto percentual em relação a fevereiro de 2019. De janeiro para fevereiro, a UCI aumentou 0,5 ponto percentual, alcançando 78,7%, sem considerar os efeitos sazonais. Foi a segunda alta consecutiva nesse dado.

Leia também:
Mercado financeiro projeta queda de 0,48% na economia este ano
Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia
G20 vai injetar 5 trilhões de dólares na economia mundial


Emprego
Segundo a CNI, apesar do emprego seguir praticamente estável, as horas trabalhadas tiveram queda. Entre janeiro e fevereiro, o emprego industrial não se alterou, considerando a série dessazonalizada.

Na comparação com o mesmo mês do último ano, houve um leve recuo 0,1%. Nesse mesmo período, a queda de horas trabalhadas foi de 1,6%. Da mesma forma, a massa salarial paga aos trabalhadores da indústria também caiu. A redução foi de 0,8% usando como base janeiro e 2,2% na comparação com fevereiro de 2019.

O rendimento médio real foi o indicador com a maior perda acumulada. O recuo de 0,7% é o quarto resultado negativo consecutivo desse índice, que havia registrado recuo de 0,1% em novembro de 2019, redução de 1,5% em dezembro, e novamente recuo de 0,1% em janeiro de 2020. Na comparação com fevereiro de 2019 a queda foi de 2,1%.

Veja também

Ministro da Ciência promete US$ 100 milhões na cota de isenção para destravar pesquisa
INVESTIMENTO

Ministro da Ciência promete US$ 100 milhões na cota de isenção para destravar pesquisa

Amazon é multada em 746 milhões de euros por não proteger dados
Tecnologia

Amazon é multada em 746 milhões de euros por não proteger dados