agropecuária

Feiras agropecuárias que movimentam R$ 17 bi são canceladas e algumas tentam migrar para internet

Um levantamento feito pela reportagem reuniu 17 feiras de maior porte

27ª edição do Agrinordeste27ª edição do Agrinordeste - Foto: Jose Britto/Folha de Pernambuco

 É no primeiro semestre, logo após o término da colheita da soja na maioria das regiões, que o produtor rural mais visita feiras agropecuárias pelo país. Mas essa rotina mudou em 2020.

O produtor Gilberto Eberhardt planta soja e milho há 30 anos em Lucas do Rio Verde (MT), a 330 km de Cuiabá. Há pelo menos cinco anos, sempre em março, ele visitava a Show Safra BR 163. "A feira começou, mas, no terceiro dia, teve que ser cancelada", diz o produtor. "Entendemos que a interrupção ajudou a impedir que a Covid-19 avançasse aqui no nosso município". A Show Safra de Mato Grosso faturou R$ 1,6 bilhão em 2019, negócios que não aconteceram este ano.

Um levantamento feito pela reportagem reuniu 17 feiras de maior porte ou tradição que deveriam ter sido realizadas entre março e maio de 2020 -todas foram canceladas em função da pandemia. Esses eventos faturaram um total de R$ 16,9 bilhões em 2019.

Alguns organizadores partiram para o plano B: versões virtuais que permitem interação. Uma das primeiras a adotar a estratégia foi a Agrobrasília. A feira é realizada no Distrito Federal há 13 anos e atrai agricultores de estados como Goiás, Bahia e Minas Gerais.

"A pedido dos próprios produtores, resolvemos criar a edição digital, já que esta é a melhor época do ano para que o agricultor compre os insumos", explica Ronaldo Triacca, presidente da Agrobrasília.

No modelo presencial, a feira havia recebido 120 mil visitantes em 2019. Já na edição digital realizada entre os dias 6 a 10 de julho, a plataforma teve 140 expositores e recebeu 122 mil acessos. Em 2019, foram 480 expositores presenciais e receita de R$ 1,2 bilhão.

"O objetivo principal foi alcançado, que era manter o vínculo dos produtores com as tecnologias", diz Triacca. Ele admite que houve prejuízo de R$ 1 milhão em função dos gastos já realizados. O valor foi coberto pela Coopa-DF (Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal).

A Coopercitrus, maior cooperativa do estado de São Paulo, tornou digital a feira que realiza há 23 anos. A mudança exigiu um investimento de R$ 2 milhões. Haverá até testes online de tratores e a possibilidade de interagir em tempo real com os vendedores.

O evento teve início segunda (27) e termina nesta sexta (31), com 138 expositores. Os organizadores esperam um faturamento de R$ 1 bilhão, contra R$ 840 milhões contabilizados na feira presencial em 2019. O público no ano passado chegou a 12 mil pessoas e agora a expectativa é alcançar 200 mil acessos.

A Expogenética, promovida pela ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu) será realizada de 15 a 23 de agosto também por meio de plataforma digital. Com 40 criadores já inscritos e praticamente todos os pavilhões ocupados, haverá transmissão ao vivo pelo Canal do Boi. "Nossa expectativa é aumentar em 20% o faturamento em relação a Expogenética do ano passado. Se a feira fosse presencial, este crescimento seria de apenas 10%", diz o presidente da ABCZ, Rivaldo Machado Borges Jr.

O Congresso Brasileiro do Agronegócio, promovido pela Abag em parceria com a B3, historicamente realizado na capital paulista, também se tornou digital e ocorrerá no dia 3 de agosto. Segundo os organizadores, já foram registradas mais de 3 mil inscrições, o triplo da edição presencial de 2019.

Agrishow Uma das maiores feiras impactadas pela pandemia do coronavírus foi a Agrishow, realizada há 26 anos em Ribeirão Preto (interior de São Paulo). A edição 2020 deveria ter ocorrido em abril, mas foi remarcada para 2021.

O presidente da Agrishow, Francisco Maturro, diz que uma edição digital foi cogitada, mas a hipótese acabou sendo descartada. "A data em que a feira é realizada coincide com o ciclo de final de uma safra e planejamento da próxima, não faria sentido realizar no segundo semestre, as decisões de investimento do produtor já estariam tomadas."

Os organizadores não revelam qual foi o prejuízo pela não realização da Agrishow. O fato é que o faturamento de R$ 2,9 bilhões do ano passado não aconteceu. Houve negociações entre organizadores e expositores para que cotas de patrocínios já pagas fossem apenas postergadas para o ano que vem.

Os expositores de maquinário também precisaram mudar a estratégia. É o caso da Case IH, que apresentaria colheitadeiras e um novo pulverizador na Agrishow 2020. "No mês de maio, para aproveitar a época mais favorável ao produtor, fizemos esses lançamentos pelas principais redes sociais", afirma Eduardo Penha, diretor de Marketing Comercial da Case IH.

Para o dia 7 de agosto, a fabricante está prevendo uma live para atrair clientes e mostrar os lançamentos. "Terá até a dupla Bruno & Marrone como atração", diz Penha.

O diretor de Assuntos Corporativos da John Deere, Alfredo Miguel Neto, lembra que os negócios estão acontecendo. "Até mesmo o pequeno produtor está retomando as compras, em julho passa a contar com os recursos do Plano Safra, e ele já conhece o benefício de investir em tecnologia", explica.

Veja também

Rápida recuperação das Bolsas reacende discussão sobre bolha
Economia

Rápida recuperação das Bolsas reacende discussão sobre bolha

Caixa credita saque emergencial do FGTS para nascidos em julho
FGTS

Caixa credita saque emergencial do FGTS para nascidos em julho