Férias escolares: como preparar o condomínio

Com a criançada à solta nos espaços de convivência, é preciso ter regras para evitar conflitos entre os moradores

Governo do Estado, prefeitura e empresas parceiras oferecem mais de cem serviços importantes e gratuitos para a populaçãoGoverno do Estado, prefeitura e empresas parceiras oferecem mais de cem serviços importantes e gratuitos para a população - Foto: Divulgação

Com o início do período das férias escolares, a criançada fica solta no condomínio. Piscinas, parquinhos, quadras e outras áreas dão lugar às brincadeiras e, tanta energia acumulada para gastar em espaços às vezes muito restritos pode terminar causando incômodo aos outros moradores. Sabendo disso, alguns síndicos e administradores fazem uma preparação especial para o mês de férias.

Quem tem o papel de colocar ordem nas brincadeiras e manter a harmonia no edifício Flening, no bairro da Jaqueira, é o síndico Luciano Ramos. Ele acredita que conversar e se unir aos pequenos é o segredo para evitar sujeira e quebra-quebra no prédio. “Sempre elegemos um síndico mirim. O eleito fica responsável pelos cuidados com o prédio e sempre dá certo”, comentou Ramos. O administrador também alertou que o cuidado dos pais é fundamental. “É importante que os pais instruam seus filhos sobre os cuidados e perigos no condomínios”, completou.

Porém, alguns passos podem ser seguidos para que síndicos, pais e crianças possam conviver nesse período sem confusão. “Colocar as regras nos quadros de avisos é importante para que as crianças saibam o que pode ou não ser feito”, disse o gerente da Marvan, administradora de condomínios, Rogério Camello. O gestor ainda destacou a importância do suporte dos funcionários. “Ter toda equipe de prontidão é o caminho para manter as coisas em ordem”, afirmou.

Mas, e se mesmo com todo cuidado, uma vidraça aparece a quebrada, um carro arranhado ou os espaços ficam sujos? Quem é responsabilizado pelo prejuízo ou pela limpeza? “As responsabilidades são dos responsáveis pelas crianças. O síndico leva a situação aos pais e eles devem arcar com os custos”, alertou a diretora da GDR administradora de condomínios, Fernanda Rocha. A diretora também lembrou que os funcionários não têm responsabilidade alguma sobre as crianças.“Os porteiros e zeladores não podem ser deslocados para outras funções. Claro que se o funcionário observar algum procedimento errado ele pode coibir ou até mesmo avisar aos responsáveis,” finalizou.

Outra questão que deve ser observada durante o período de férias escolares é o cuidado com acidentes. É fundamental a manutenção dos espaços e a supervisão de um adulto durante as brincadeiras. Os pais mais ocupados podem optar por contratar empresas de recreação e até alugar brinquedos a mais. “Supervisionar brinquedos e espaços de convivência é o primeiro passo para evitar acidentes”, aconselhou a síndica do edifício Mont Genebre, no bairro da Torre, onde moram 20 crianças.

Por fim, o que síndicos, administradores e pais de­vem guardar para manter uma convivência harmônica é o bom senso. “Estabelecer os horários da diversão respeitando a convivência com os outros moradores é o segredo. Até porque ninguém quer proibir que as crianças se divirtam”, apontou o síndico Ramos.

Veja também

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego
Economia

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil