Fila do auxílio emergencial da Caixa vira madrugada com idosos, doentes e relatos de fome

Na fila, muitos não usavam máscaras e quase todos desrespeitavam a distância recomendada (cerca de 2 m)

Fila de pessoas aguardando atendimento na Caixa Econômica Federal de AfogadosFila de pessoas aguardando atendimento na Caixa Econômica Federal de Afogados - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Idosos, doentes e trabalhadores que já dependem de doações para comer passaram a madrugada desta terça-feira (5) em fila para receber o auxílio emergencial em uma agências da Caixa Econômica Federal na periferia de São Paulo.

Sem trabalhar há mais de um mês, o pedreiro Luciano Teixeira da Silva, 40 anos, entrou na fila às 21h30 de segunda-feira (4) em São Mateus (zona leste). "Eu já tinha vindo às 4h da manhã na segunda-feira (4), mas a fila já estava enorme. Então, decidi voltar à noite e ser um dos primeiros hoje."

A geladeira vazia explica a urgência do pedreiro, que tem recebido doações de parentes e desconhecidos para sobreviver durante a quarentena. "Recebi cesta básica e até gás", diz Silva. "Vou ganhar medalha de prata porque sou o segundo da fila."

Leia também:
Secretário do Tesouro rejeita tornar permanente auxílio emergencial de R$ 600
Mães que recebem Bolsa Família ficam sem auxílio emergencial


Na fila, muitos não usavam máscaras e quase todos desrespeitavam a distância recomendada (cerca de 2 m) entre as pessoas para evitar o contágio pelo novo coronavírus.

Às 8h, quando o atendimento foi iniciado, havia cerca de 200 pessoas em linha, ocupando todo o quarteirão.

Por volta das 8h30, um grupo de assistentes sociais da prefeitura tentou organizar o distanciamento. Mas, maior do que o temor de contrair a doença, era o medo de perder o lugar na fila.

"Pedimos para que respeitem o distanciamento, mas as pessoas têm medo de que outra pessoa corte a fila", disse uma das profissionais.

A falta de cuidados sanitários tornava ainda maior a preocupação entre as pessoas que, apesar de serem do grupo de risco para desenvolver complicações da Covid-19, precisaram encarar a madrugada na fila.

Asmática, a auxiliar de cozinha desempregada Cíntia do Nascimento Fernandes, 36 anos, chegou às 5h30 desta terça-feira nas proximidades da Caixa.

"Fiz de tudo para evitar vir aqui, mas não teve jeito. Não gerava código [de saque pelo aplicativo Caixa Tem] e não conseguia transferir para outro banco, mesmo constando o saldo no aplicativo", conta Cíntia, que conseguiu sacar o benefício às 12h30.

O aposentado Luiz Rosa, 64 anos, do Jardim Vera Cruz (zona leste), guardava lugar para a esposa, Eliúde Rosa, 60 anos, que é autônoma. "Ela está com dengue, mas disseram que ela teria que vir. Já vim aqui quarta-feira, quinta, sexta, segunda e hoje [terça]. Sempre dizem para voltar amanhã. É absurdo. Espero que consigamos hoje."

TRABALHADORES VIVEM DE DOAÇÕES
O ajudante de pedreiro Josevelton Silva, 24 anos, do Parque São Rafael (zona leste), está vivendo há quase dois meses com a ajuda da família e doações. "No aplicativo da Caixa diz que o valor caiu. Tentei até transferir para outra conta, mas não consegui. A gente digita o CPF várias vezes e só dá erro."

O autônomo Rafael Vinícius, 29 anos, do Jardim Colonial (zona leste), era o último da fila às 9h10. "Estou sem trabalho há quatro meses. Está difícil. Vai ajudar bastante esse dinheiro. Está constando com aprovado. Espero que dê certo."

A auxiliar de limpeza desempregada Tatiane Granada de Paula, 25 anos, do Jardim Rodolfo Pirani (zona leste), tem dois filhos, uma menina de 10 anos e o caçula de 3. Ela passou a madrugada na porta da agência, enrolada em um cobertor de bebê.

"Era quase 1h da manhã quando cheguei. A gente tenta não desanimar, encostamos na parede quando o sono chegava e conversamos bastante para passar o tempo. O cadastro não dava certo, dizia para tentar mais tarde."

Ela relata que a família vive com o Bolsa Família de R$ 172. Ela conseguiu sacar os R$ 1.200 do auxílio emergencial e já tinha planos para o dinheiro.

"Vou comprar iogurte e bolacha para as crianças, arroz e feijão. Graças a Deus estamos recebendo cesta básica de uma associação, mas o problema é quando a criança pede uma coisa para comer e não temos. Meus filhos fazem aniversário dias 24 e 25 de maio. Infelizmente, para o de três anos nunca consegui fazer uma festinha e nessa situação é que não vai dar mesmo."

FALTA INFORMAÇÃO
Entre os que aguardavam na fila com mais de 200 pessoas estavam idosos e pessoas com dificuldades de locomoção que nem sequer sabiam que existia outra fila de atendimento prioritário.

Os funcionários da Caixa só orientavam os primeiros da fila.
O marceneiro Francisco Vieira Fernandes, 57 anos, do Jardim Vera Cruz (zona leste), afirma que é a terceira vez que entra na fila para receber o saque emergencial.

Ele utiliza bengala para se apoiar e relata que sofreu um acidente há quatro anos, o que o incapacitou para o trabalho.

"Não consigo auxílio-doença, nem aposentadoria e nem esse auxílio. Estou na fila desde as 7h.", diz. "Não tenho celular. Minha filha que fez o cadastro, mas não conseguimos o código."

O QUE DIZ A CAIXA
A Caixa Econômica Federal informou que não há necessidade de passar a madrugada na fila para receber o auxílio emergencial e que, em parte das agências, o movimento cai após as primeiras horas da manhã. O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que quem chegar entre entre 8h e 14h será atendido. Ele sugeriu também que as pessoas procurem as agências um pouco mais tarde, pois o horário de maior movimento é o início da manhã.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

PCR oferece 130 vagas em cursos profissionalizantes para participantes do Mãe Coruja
OPORTUNIDADE

PCR oferece 130 vagas em cursos profissionalizantes no Mãe Coruja

Bitcoin bate recorde de cotação ao superar 62.000 dólares
Economia

Bitcoin bate recorde de cotação ao superar 62.000 dólares