Economia

Fim de acordo Boeing-Embraer é chance de Brasil ter cautela com privatizações, dizem militares do go

O acordo teve o apoio do Planalto sob Michel Temer (MDB) e foi ratificado por Bolsonaro no começo de 2019

Boeing e EmbraerBoeing e Embraer - Foto: Eric Piermont / AFP

O cancelamento da compra pela Boeing da área de avião civil da Embraer não foi considerado catastrófico por todo o governo federal.A cúpula militar, que nunca foi unânime sobre o acordo, avalia que a desistência é uma oportunidade para que o presidente Jair Bolsonaro adote mais cautela na atual política de privatizações.

No sábado (25), a Boeing anunciou a suspensão do acordo, de US$ 4,2 bilhões (R$ 23,5 bilhões na sexta) -era o maior negócio da indústria aeroespacial brasileira. Segundo a empresa americana, a Embraer não teria cumprido todas as obrigações para executar a separação da linha de aviões regionais. Houve troca de acusação entre as companhias.

Leia também:
Sindicato defende reestatizar Embraer após acordo com Boeing fracassar
Boeing desiste de comprar área de aviação comercial da Embraer

Para o núcleo fardado do Palácio do Planalto, o setor de tecnologia aeroespacial é estratégico para a proteção do país. Por isso, o compartilhamento de tecnologia poderia fragilizar a defesa aérea.Os militares ouvidos pela Folha de S.Paulo ponderam, no entanto, que a quebra do acordo em meio a uma crise econômica causada pelo novo coronavírus não é animador.

O cenário, para eles, demonstra que outras empresas brasileiras correm o risco de perder grande valor de mercado ao longo da pandemia. Para alguns militares, o não prosseguimento do acordo fortalece o discurso de parcela do governo sobre a necessidade de uma flexibilização do ajuste fiscal e de um aumento do investimento público enquanto perdurar o alastramento da doença.

Apesar do discurso de parcimônia com o plano de privatizações da ala liberal do governo, os militares não defendem a reestatização da empresa, vendida em 1994.
Neste sábado, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos aproveitou o negócio frustrado para emitir uma nota pedindo a reestatização da Embraer.

A rescisão do acordo de compra da Embraer pela Boeing, anunciada neste sábado (25) pela empresa norte-americana, é uma reviravolta em uma transação marcada pelo desprezo aos interesses nacionais e dos trabalhadores brasileiros", diz trecho do comunicado enviado pelo sindicato.

A entidade também diz que se posicionou contrário à venda. "A Embraer é um patrimônio nacional estratégico para o país e não precisa de aliança com parceiros internacionais para sobreviver." A gestão Jair Bolsonaro, ao contrário dos representantes da empresa, aprovou o negócio.

Esse aval foi necessário porque o governo detém a chamada "golden share" que lhe permitiria vetar qualquer tratativa. A ação era um resquício do processo de privatização da Embraer. O acordo teve o apoio do Planalto sob Michel Temer (MDB). Ele foi ratificado por Bolsonaro no começo de 2019.

O negócio entre Boeing e Embraer começou a ser costurado em 2017, quando a maior rival da fabricante americana, a europeia Airbus, comprou a linha de jatos regionais C-Series, da canadense Bombardier. No começo da tarde de sábado, a Embraer divulgou nota com acusações contra a Boeing. "A Embraer acredita firmemente que a Boeing rescindiu indevidamente o MTA (Acordo Global da Operação) e fabricou falsas alegações", diz o texto.

A decisão foi tomada, segundo a nota, "como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação e pagar à Embraer o preço de compra de U$ 4,2 bilhões". "A empresa acredita que a Boeing adotou um padrão sistemático de atraso e violações repetidas ao MTA, devido à falta de vontade em concluir a transação, sua condição financeira, ao 737 MAX e outros problemas comerciais e de reputação", afirma a Embraer, que disse ter cumprido todas as condições necessárias para o negócio.

A fabricante brasileira afirmou que irá tomar "todas as medidas cabíveis contra a Boeing pelos danos sofridos como resultado do cancelamento indevido e da violação do MTA".
O próprio CEO da empresa, Francisco Gomes Neto, gravou um vídeo dando essa versão dos fatos. "Vamos buscar compensação", disse, afirmando que "lamenta a decisão", mas que a Embraer já superou crises no passado. "Seguimos firmes e fortes", disse.

As dificuldades financeiras da Boeing citadas são conhecidas, embora a empresa negue que sejam o motivo da rescisão. São uma crise interna, com a paralisação da produção do best-seller 737 MAX por problemas técnicos que geraram acidentes fatais, e a queda de demanda mundial de aeronaves pela pandemia do novo coronavírus.

Veja também

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chipsSmatphones

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chips

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadasLoteria

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadas