Flávio Bolsonaro vai à China e deve visitar Huawuei

A companhia que é alvo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e já foi questionada pelo governo brasileiro

Flávio BolsonaroFlávio Bolsonaro - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) embarca neste sábado (14) para viagem à China junto com uma comitiva de senadores. Os parlamentares terão agendas na área de tecnologia e devem visitar a Huawei, companhia que é alvo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e já foi questionada pelo governo brasileiro.

A viagem, feita a convite da Embaixada da China e sem custos ao Senado, ainda prevê encontro com representantes do Partido Comunista Chinês. Também participam da missão os senadores Chico Rodrigues (DEM-RR), Irajá Abreu (PSD-TO), Rogério Carvalho (PT-SE) e Esperidião Amin (PP-SC). O grupo passará por Beijing, Xangai e Hangzhou.

Um dos maiores aliados do presidente Jair Bolsonaro, o governo Trump ameaçou, em maio, colocar a Huawei em uma lista negra de empresas proibidas de vender tecnologia nos EUA. A marca foi acusada de espionagem. O grupo nega.

Leia também:
Rede entrará no STF contra medida de Toffoli que beneficia Flavio Bolsonaro
Juiz quebra sigilos de mais oito no caso Flávio Bolsonaro e refaz decisão
Desembargador nega pedido de Flávio Bolsonaro para suspender quebra de sigilo 

Em junho, em entrevista à Veja, o ministro de Relações Exteriores afirmou que o governo brasileiro avalia restringir a atuação da companhia na instalação das redes de 5G no país. Na última semana, o Senado aprovou projeto de lei que modifica o marco das telecomunicações e pode destravar investimentos no setor.

Pelo Twitter, Flávio Bolsonaro afirmou que a viagem tem o objetivo de estreitar relações comerciais com a China. "Meu intuito é também conhecer a petrolífera chinesa CNPC, que pode anunciar em breve aporte bilionário no Comperj, o que colocará o Rio de Janeiro em ainda mais elevado patamar no segmento de óleo e gás. Espero voltar com boas notícias", afirmou.

De acordo com Amin, a ida à China não se trata de uma questão política, mas comercial. O foco dos trabalhos será a busca por diálogo e parcerias na área de tecnologia e também na agropecuária. Para ele, não há constrangimento em dialogar com o Partido Comunista Chinês. "O que existe é comércio, é negócio, não é politica", disse.

Amin ressaltou que o vice-presidente Hamilton Mourão também foi à China neste ano e que Jair Bolsonaro tem uma viagem programada ao país em outubro.

Veja também

BB formaliza parceria com suíço UBS para banco de investimentos

BB formaliza parceria com suíço UBS para banco de investimentos

Experience Club expande operação para o Nordeste
Lideranças

Experience Club expande operação para o Nordeste