FMI: incerteza eleitoral pode retardar recuperação econômica na América Latina

O FMI afirmou ainda em um relatório sobre as perspectivas para a região que mudanças nas políticas protecionistas e um súbito aperto nas condições financeiras globais também podem afetar as perspectivas de crescimento para a América Latina e o Caribe de 2

FMI de ParisFMI de Paris - Foto: Reprodução/Google Street View

O FMI (Fundo Monetário Internacional) disse nesta sexta-feira (11) que a incerteza política antes das eleições em vários países latino-americanos, principalmente no Brasil e no México, poderia retardar a recuperação da economia na região.

FMI afirmou ainda em um relatório sobre as perspectivas para a região que mudanças nas políticas protecionistas e um súbito aperto nas condições financeiras globais também podem afetar as perspectivas de crescimento para a América Latina e o Caribe de 2% para 2018, em comparação com 1,3% em 2017.
O Fundo disse que o Brasil vai se recuperar crescerá neste ano 2,3% graças a uma retomada do consumo privado e do investimento.

"No entanto, um risco fundamental [no Brasil] é que a agenda política pode mudar após as eleições presidenciais de outubro, dando lugar a uma maior volatilidade no mercado e maior incerteza sobre as perspectivas de médio prazo", disse o FMI no documento. Os dados são anteriores à volatilidade que enfraqueceu as moedas regionais e fez a Argentina pedir ajuda financeira ao Fundo. 

O FMI projeta crescimento de 2% do PIB argentino em 2018. A terceira maior economia da região e integrante do G20 negocia em Washington o acesso a um crédito de "stand-by" para tentar resolver a aguda crise financeira que fez o peso desabar nas últimas semanas.

Leia também:
Argentina recorre ao FMI para equilibrar contas
Recuperação do mercado de trabalho desacelerou em abril

O economista-chefe do FMI para o hemisfério ocidental, Alejandro Werner, tinha previsto apresentar o relatório em Lima, mas optou por permanecer em Washington, acompanhando as negociações com autoridades argentinas. "Uma redução contínua do déficit fiscal primário (...) ajudaria a ancorar as expectativas inflacionárias com as taxas de juros mais baixas, reduzir a vulnerabilidade relacionada com as fortes necessidades brutas de financiamento fiscal", afirma o documento acerca da Argentina. 

FMI disse ainda que o México -onde espera que o crescimento da produção acelere para 2,3% neste ano, ante 2% em 2017- se recuperará principalmente devido às suas exportações e maior crescimento de seu vizinho e mercado-chave, Estados Unidos.

Da mesma forma, o México se beneficiará de uma demanda interna mais forte "uma vez que diminua a incerteza sobre as negociações do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), as implicações potenciais da reforma tributária dos EUA e as eleições presidenciais no México em julho".

O candidato de esquerda Andrés Manuel López Obrador é considerado o favorito para vencer as eleições mexicanas, mas seu rival mais próximo, Ricardo Anaya encurtou a distância após um recente debate entre os cinco candidatos.

Veja também

Corte em crédito rural no Orçamento de 2021 ameaça agricultura familiar
Crédito Rural

Corte em crédito rural no Orçamento de 2021 ameaça agricultura familiar

Equipe de Guedes planeja corte na pasta de Marinho para atender ao Congresso
Economia

Equipe de Guedes planeja corte na pasta de Marinho para atender ao Congresso