Amazonas

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus

Crise se acirrou com os últimos acontecimentos relacionados à Covid-19

Embarque de pacientes de Manaus para transferência em outros estadosEmbarque de pacientes de Manaus para transferência em outros estados - Foto: Divulgação/Força Aérea Brasileira (FAB)

O mercado de fretamento aéreo, que até o início da pandemia estava acostumado a levar carregamentos para indústrias como a farmacêutica e a automotiva, vive agora seu pior cenário com a crise em Manaus.

O drama humano, somado a dificuldades estruturais e de oferta inerentes ao setor, faz deste o momento mais difícil dos últimos meses, segundo Ana Benavente, diretora da multinacional Air Charter para a América do Sul.

Desde que a pandemia começou, a companhia teve diferentes ondas. Primeiro veio a busca por voos para repatriar pessoas quando as fronteiras começaram a se fechar. Depois, os equipamentos de proteção individual -foram mais de 30 mil toneladas desde março, segundo a Air Charter.

Mas antes do esperado pico de demanda para levar vacinas surgiu a tragédia de Manaus. Na quinta-feira (14), a empresa diz ter recebido um pedido emergencial para levar 6,5 toneladas de equipamentos hospitalares do Rio para lá.

Entre as dificuldades, Benavente afirma que o porte das aeronaves disponíveis no mercado brasileiro não é o ideal para o carregamento de cilindros de oxigênio. "Dos tubos maiores, muita coisa fica para trás. Não dá para levar. Tem o avião, mas não entra na porta", diz.

Segundo a executiva, além dos casos de pacientes tão graves que nem podem ser levados em aeromédico, os aviões ficam baseados em pontos distantes de Manaus.

"Não é perto como Rio, Brasília, SP. Tem o drama de esperar. E não é só um caso. São muitos. Estão todos cansados do batidão do ano passado, mas isso de agora ninguém nunca viu", afirma.

Veja também

Desemprego encerra 2020 em 13,9%, diz IBGE
Economia

Desemprego encerra 2020 em 13,9%, diz IBGE

Governo de Pernambuco e UPE firmam parceria voltada à engenharia pública
Especialização

Pernambuco e UPE firmam parceria voltada à engenharia pública