Funcionários dos Correios protestam no Recife contra desvios no Postalis

Representantes afirmaram que o protesto teve como objetivo cobra mais transparência sobre os recursos do fundo

Funcionários dos Correios pedem mais transparência sobre o PostalisFuncionários dos Correios pedem mais transparência sobre o Postalis - Foto: Julya Caminha / Folha de Pernambuco

Cerca de 80 funcionários dos Correios se reuniram, na manhã desta terça-feira (17), em frente ao edifício central, na Avenida Guararapes, área central do Recife, para realizar um ato contra os desvios do fundo de pensão da estatal, o Postalis.  O fundo de previdência complementar dos empregados dos Correios é o maior do Brasil em número de participantes, com aproximadamente 140 mil beneficiários.

De acordo com representantes da Associação dos Profissionais dos Correios (Adcap), o protesto desta manhã foi para cobrar mais transparência sobre os recursos do fundo de benefício definido, instituído em 1981 e que fechou para novos membros (saldado) em 2008.

“Nosso protesto é contra o equacionamento do fundo, que quer tirar dos benefícios dos aposentados e ativos dos Correios uma contribuição do fundo de 45,8%. Eles alegam que o fundo não tem dinheiro para pagar e esta cobrando da gente essa dívida, fruto dos desvios ao longo dos anos”, revelou o presidente da Adcap em Pernambuco, Eyder Barbosa.

Leia também:
Funcionários dos Correios querem mais transparência em fundo de pensão
Correios estimam perdas de R$ 150 milhões com greve dos caminhoneiros
Correios apresentam lucro de R$ 667 milhões em 2017


O encontro contou com a participação de funcionários da ativa e aposentados, que temem pela “sobrevivência” do fundo. “Nosso ato é para clamar para que as pessoas honestas do País se unam à nossa luta para não vermos o dinheiro que contribuímos a nossa vida profissional toda para quando se aposentar sumir”, revela a aposentada Marlecsandra Paraíso, de 57 anos.

Veja também

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM
Tributos

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM

Ford investe mais na Argentina, onde está há 107 anos
Negócios

Ford investe mais na Argentina, onde está há 107 anos