Fundo conservador rende muito pouco

Estudo mostra que investimentos em produtos de baixo risco conseguem uma rentabilidade bem superior

Governador Paulo CâmaraGovernador Paulo Câmara - Foto: Felipe Ribeiro/Folha de Pernambuco

 

Apontados como uma das peças que podem aliviar o sistema previdenciário brasileiro, os planos de aposentadoria privada conservadores vendidos por bancos e seguradoras têm tido rentabilidade inferior à que os clientes conseguiriam se aplicassem diretamente em produtos com baixo risco disponíveis, como títulos públicos.

No longo prazo, o ganho menor pode levar o investidor a demorar mais para se aposentar ou receber uma renda inferior à desejada. A conclusão é de um estudo da XP Investimentos que analisou a rentabilidade de fundos de previdência conservadores (renda fixa) e mais arriscados (multimercados) nos últimos 12 e 24 meses.
O levantamento tomou como base 524 produtos com patrimônio líquido superior a R$ 30 milhões, ou seja, os maiores da indústria. Apesar de mostrarem um retrato da situação dos produtos no período, é preciso lembrar que planos de previdência têm como objetivo a aposentadoria; portanto, devem ser encarados como investimento de longo prazo.
Uma parcela dos fundos conservadores analisados investe em títulos públicos pós-fixados (de baixa volatilidade). Outros aplicam também em papéis privados e em ativos com vencimento mais longo atrelados à inflação (alta volatilidade). Já nos fundos multimercados, o nível de risco varia conforme a aplicação em ações, ativos no exterior ou outros investimentos considerados mais arriscados.
O resultado mostra que só 12 em cada 100 (11,9%) fundos conservadores superaram, nos últimos 12 meses, o CDI. A taxa que é a média dos juros cobrados em empréstimos entre instituições financeiras, hoje em 14,13% ao ano serve como parâmetro para o retorno de aplicações em carteiras com menor risco.
Quando o prazo é ampliado para os últimos dois anos, só pouco mais de 3 de cada 100 (3,6%) superaram o CDI.
O principal diferencial dos fundos que renderam mais que o CDI foi a taxa de administração inferior a 1%. Na ponta contrária, 46% dos fundos conservadores com ganho inferior ao do indicador de referência cobravam taxas superiores a esse percentual. " Qualidade da gestão é importante, mas o ponto principal a ser analisado é o custo. Tem uma correlação enorme entre os fundos mais caros e uma performance pior" afirma Gustavo Pires, sócio da XP Investimentos.
A taxa de administração incide sobre o patrimônio dos fundos que é distribuído aos cotistas. Quanto maior a mordida, menos os investidores recebem.

 

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia