Economia

Gilmar Mendes marca conciliação entre estados e governo sobre ICMS de combustíveis

O ministro ainda pediu que estados e União tragam propostas para o encontro

Ministro do STF, Gilmar MendesMinistro do STF, Gilmar Mendes - Foto: Felipe Sampaio/STF

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), agendou uma audiência de conciliação entre estados e governo federal sobre a questão do ICMS de combustíveis para a próxima terça-feira. Ele ainda pediu que estados e União tragam propostas para o encontro.

“Ressalte-se que as partes deverão comparecer munidas de propostas que envolvam o pacto federativo discutido nesses autos, previamente autorizadas pelos setores técnico-administrativos, caso seja necessário”, escreveu em despacho.
 

Em despacho publicado nesta sexta-feira, Mendes convocou as partes para uma reunião por videoconferência, na manhã da próxima terça, dia 28 de junho, considerando “a busca por um compromisso conciliatório manifestado pelos Estados-membros e colhida, pessoal e informalmente, a concordância da submissão ao interesse autocompositivo com diversas autoridades do Poder Executivo da União”.

Imbróglio sobre as alíquotas

Nesta semana, as procuradorias-gerais dos 26 estados e do Distrito Federal haviam pedido que Mendes suspendesse a decisão de André Mendonça, que limitou as alíquotas de ICMS cobradas sobre combustíveis.

O Colégio Nacional de Procuradorias-Gerais dos Estados e do Distrito Federal (Conpeg) sustenta que a decisão de Mendonça contrariou uma decisão anterior de Mendes sobre o mesmo tema. Por isso, eles pediram que houvesse determinação sobre o limite de atuação de cada ministro e que o tema seja levado ao plenário.

Mendonça suspendeu um convênio editado pelos estados e determinou que as alíquotas de ICMS cobradas sobre gasolina, etanol, diesel, biodiesel e gás devem ser uniformes em todo o país a partir da edição de novas regras pelo Confaz. Enquanto isso não ocorrer, os estados deveriam adotar alíquotas baseadas em médias dos últimos cinco anos, o que na prática reduziria o imposto.

O problema é que Mendes já estava tratando desse tema em outro processo. O GLOBO mostrou que a decisão de Mendonça causou “mal estar” no STF por um entendimento, entre ministros ouvidos, de que Mendonça “invadiu” tema que já estava sendo tratado por Mendes.

Veja também

Painel revela que Recife é a capital com maior rapidez para se abrir uma empresa
Empreendedorismo

Painel revela que Recife é a capital com maior rapidez para se abrir uma empresa

Loja de varejo inaugura duas lojas em Pernambuco
Comércio

Loja de varejo inaugura duas lojas em Pernambuco