Governo adia cobrança de parcelamentos tributários durante pandemia

De acordo com a pasta, serão suspensas as parcelas com vencimento previsto para maio, junho e julho deste ano

Paulo GuedesPaulo Guedes - Foto: Wils

O Ministério da Economia informou nesta terça-feira (12) que vai adiar a cobrança de parcelamentos tributários durante a pandemia do novo coronavírus. A medida prorroga prestações equivalentes a R$ 9,6 bilhões. A decisão foi validada por meio de portaria publicada no Diário Oficial da União.

De acordo com a pasta, serão suspensas as parcelas com vencimento previsto para maio, junho e julho deste ano. O adiamento vai variar de três a cinco meses. A medida alcança parcelamentos tributários administrados pela Receita Federal e pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

AS parcelas com prazo de pagamento para maio serão prorrogadas até agosto. Os vencimentos de junho passarão para outubro e as prestações de julho foram adiadas para dezembro deste ano.

Leia também:
Juros futuros reais de um ano ficam negativos, ou seja, abaixo da inflação
MPT e Justiça do Trabalho destinam R$ 199.800 para a compra de cestas básicas


Segundo a Receita, também serão suspensos os pagamentos daqueles contribuintes que quitam suas obrigações por meio de débito automático em conta. A medida atinge estados e municípios. Serão suspensas, entre maio e julho, as retenções feitas pela União referentes às prestações de parcelamentos feitos pelos governos regionais.

A Receita pondera que a prorrogação ainda não se aplica aos parcelamentos no âmbito do Simples Nacional porque essa decisão é de competência do Comitê Gestor do Simples. O grupo se reúne na sexta-feira (15) para discutir o tema.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE
SONEGAÇÃO

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão
CONTA DE LUZ

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão