Governo anuncia plano B para economia após desistir de Previdência

Estão na lista: reforma do PIS/Cofins, autonomia do Banco Central, lei geral das agências reguladoras, reoneração da folha de pagamento, etc.

Ministro da Fazenda Henrique MeirellesMinistro da Fazenda Henrique Meirelles - Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

O governo apresentou nesta segunda-feira (19) uma lista de propostas para a área econômica a serem tocadas ainda neste ano diante da decisão de desistir de aprovar a reforma da Previdência antes das eleições presidenciais. Segundo o ministro Henrique Meirelles (Fazenda), não se trata apenas de uma agenda fiscal.

Estão na lista: reforma do PIS/Cofins, autonomia do Banco Central, lei geral das agências reguladoras, reoneração da folha de pagamento, mudanças no cadastro positivo e distrato, entre outras medias que dependem do Congresso.

Leia também:
Governo admite que Previdência ficará para depois da eleição
Novas propostas de ajuste têm efeito mais imediato que reforma, diz Meirelles

O governo do presidente Michel Temer admitiu pela primeira vez que não conseguirá votar a reforma previdenciária pelo menos até a eleição presidencial. Em entrevista à imprensa nesta segunda, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou que a proposta está suspensa e que, na melhor das hipóteses, poderá ser retomada em novembro.

Segundo ele, o Palácio do Planalto concluiu que não há segurança jurídica para revogar o decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro, que impede a votação de uma Proposta de Emenda Constituição (PEC).

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é problema econômico, diz presidente

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção