Energia

Governo assina contratos de R$ 21,7 bi de transmissão de energia que passam por 5 Estados

De acordo com a assessoria de comunicação do Palácio do Planalto, os contratos envolvem R$ 21,7 bilhões

Os representantes do Executivo foram os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Rui Costa (Casa Civil)Os representantes do Executivo foram os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Rui Costa (Casa Civil) - Foto: Ulgo Oliveira/Seinfra

O governo federal assinou nesta quarta-feira, 3, contratos de transmissão de energia elétrica decorrentes de leilões realizados no ano passado.

Os representantes do Executivo foram os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Rui Costa (Casa Civil). Era esperada a participação do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, mas não ele não compareceu

De acordo com a assessoria de comunicação do Palácio do Planalto, os contratos envolvem R$ 21,7 bilhões em investimentos divididos em três lotes. Serão 4.471 quilômetros de linhas de transmissão nos Estados de Goiás, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo e Tocantins.

Também segundo o comunicado divulgado pelo Planalto, as obras levarão de 60 a 72 meses e vão criar cerca de 37 mil empregos. Em seu discurso, Silveira falou em 300 mil empregos, em 200 canteiros de obras. As empresas envolvidas são a chinesa State Grid, o brasileiro Consórcio Olympus XVI e a espanhola Celeo Redes.

A cerimônia, no Palácio do Planalto, teve participação de representantes das empresas que venceram as concorrências e do embaixador da China, Zhu Qingqiao - Costa disse em seu discurso que a amizade entre Brasil e China aumentará nas relações comerciais.

"Esse leilão se soma aos outros dois que já foram feitos. Com esse chegamos a R$ 60 bilhões em infraestrutura", afirmou Rui Costa. "Faltava como retirar a energia do parque eólico e solar do Nordeste", declarou o ministro da Casa Civil. Segundo ele, o Nordeste do Brasil é o lugar mais competitivo do mundo para produzir energia solar e eólica. "O Brasil quer se firmar como um líder global da transição energética", afirmou Rui Costa.

"O Brasil é conhecido como um celeiro de alimentos, e agora começa a ser reconhecido como um celeiro de energias renováveis", disse Silveira. "Essa mensagem de estabilidade política, estabilidade jurídica, estabilidade regulatória. Assim temos que continuar para desenvolver nosso país e dar esse exemplo de segurança energética", afirmou o presidente da Alupar (parte do Consórcio Olympus XVI), Paulo Godoy.

Veja também

Petrobras aprova início da reativação de fábrica de fertilizantes em Araucária, no Paraná
PARANÁ

Petrobras aprova início da reativação de fábrica de fertilizantes em Araucária, no Paraná

Credores aprovam plano que injeta R$ 3,4 bi na Oi e vende últimos ativos relevantes
recuperação judicial

Credores aprovam plano que injeta R$ 3,4 bi na Oi e vende últimos ativos relevantes

Newsletter