Governo avalia empréstimo de R$ 1 bi ao Rio, diz Meirelles

Valo terá royalties de petróleo como garantia

Henrique Meirelles, ministro da FazendaHenrique Meirelles, ministro da Fazenda - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles afirmou nesta quarta-feira (21) que um novo empréstimo, de aproximadamente R$ 1 bilhão, com royalties de petróleo como garantia, deverá ser feito ao estado do Rio de Janeiro.

Meirelles acrescentou que a pasta está trabalhando pela estabilização financeira do Rio por meio do Regime de Recuperação Fiscal dos estados. O governo do estado já havia recebido um empréstimo bancário de cerca de R$ 2,9 bilhões a partir da penhora de ações da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae).

Leia também:
Senado aprova intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro
Caixa suspende empréstimos a Estados e BC revisará normas bancárias


Meirelles ainda afirmou que as Forças Armadas estão redirecionando o próprio Orçamento deste ano para as ações no Rio, sob intervenção federal na segurança pública. "Nós temos verbas disponíveis dentro do Orçamento para a ação das Forças Armadas no Rio de Janeiro. Até o momento não há nenhum pedido especifico de recursos adicionais."

Na segunda-feira (19), o ministro afirmou que, com o Orçamento de 2018 já no limite do teto de gastos, o governo federal terá que remanejar recursos de outras áreas para investir nas Forças Armadas caso seja necessário. Esses recursos podem ser usados, por exemplo, para combustível ou armamento.

O ministro disse que o pedido deve vir das Forças Armadas, mais especificamente, do general Walter Souza Braga Netto, designado como interventor. Cabe ao estado do Rio de Janeiro manter os pagamentos usuais. "O Rio de Janeiro segue cumprindo com as suas despesas normais de pagamento dos policiais, do trânsito, do combustível dos veículos, da polícia. Isso não altera, continua normalmente", afirmou Meirelles.

Veja também

Juros do cheque especial sobem e taxas do rotativo caem em setembro
Economia

Juros do cheque especial sobem e taxas do rotativo caem em setembro

Varejo deve crescer até 3% em novembro puxado pela Black Friday
Economia

Varejo deve crescer até 3% em novembro puxado pela Black Friday