A-A+

Governo avalia que chance de greve de caminhoneiros é pequena

Otávio Rêgo Barros ressaltou diálogo constante com a categoria

Porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo BarrosPorta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O governo federal acredita que são pequenas as chances de uma nova greve nacional dos caminhoneiros, como a ocorrida em 2018. A informação foi dada nesta segunda-feira (9) pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, em coletiva de imprensa. Ele ressaltou o diálogo que o governo vem mantendo com a categoria para o encaminhamento das demandas do setor.

"Nós entendemos que é pequena essa possibilidade [de greve]", disse o porta-voz. A liderança de um grupo de caminhoneiros chegou a falar em greve no dia 16, mas a maior parte dos representantes da categoria descarta o movimento.

Leia também:
Caminhoneiros, empresários e governo discutem cálculo do frete
TST derruba multa de R$ 32 milhões a sindicatos por greve na Petrobras


"O ministro Tarcísio Freitas tem afirmado em diversas oportunidades que as portas do Ministério da Infraestrutura estão abertas para o diálogo com essa importante classe de trabalhadores, o próprio presidente reafirma o seu apreço por essa classe, já reafirmou no início do ano e ratifica o seu apreço, e que ela tem sido a melhor forma de dar solução a essas questões. Ou seja, o estabelecimento do diálogo é a melhor forma de dar soluções às demandas dessa classe", destacou Rêgo Barros.

Na semana passada, representantes do governo, empresários, sindicatos e federações de caminhoneiros se reuniram em Brasília para tratar de temas como o custo do frete. Foi a 35ª reunião do Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas (Fórum TRC). O Fórum TRC representa 2,6 milhões de caminhoneiros, 37.386 empresas, 1.584 sindicatos e 75 federações.

Veja também

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 8,69%
economia

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 8,69%

Sob Bolsonaro, equipe econômica ganha 84% das decisões da Comissão de Ética
Ministério da economia

Sob Bolsonaro, equipe econômica ganha 84% das decisões da Comissão de Ética