Encontro

Governo Bolsonaro anuncia parceria com empresa de Musk, mas não apresenta contratos

Satélites da empresa do bilionário americano irão compartilhar dados para identificar focos de desmatamento e conectar escolas em zonas rurais da Amazônia

Bolsonaro e Musk em encontro no BrasilBolsonaro e Musk em encontro no Brasil - Foto: Reprodução/Twitter Jair Bolsonaro

O governo brasileiro anunciou nesta sexta-feira (20) uma parceria com a Starlink, de Elon Musk, para a instalação de satélites de monitoramento na Amazônia. A intenção é que a companhia compartilhe dados dos aparelhos para identificar focos de desmatamento e eventualmente conectar escolas em zonas rurais da região.

A iniciativa com a empresa do bilionário americano foi acertada durante um encontro no Hotel Fasano Boa Vista, em Porto Feliz, no interior de São Paulo. Não foram apresentados contratos, divulgados valores para o acordo e não há dados sobre como essa parceria seria viabilizada nem quais contrapartidas exigiria.

Após o evento, que também contou com a participação de empresários, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, explicou que os satélites orbitariam a baixa altitude, a apenas 550 quilômetros da superfície. Trata-se de uma distância inferior aos usuais 36 mil quilômetros dos equipamentos tradicionais. Questionado sobre os riscos à soberania nacional de se permitir a atuação desses aparelhos na Amazônia, o ministro afirmou que os equipamentos já funcionam.

— Quem libera os satélites (para a Starlink) não é o governo brasileiro. Eles já estão lá. Queremos que as informações que eles possuem sejam compartilhadas com o governo brasileiro – diz Faria.

Em janeiro, no entanto, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) atendeu a um pedido da Starlink para permitir a exploração comercial de seus satélites de órbita não estacionária no Brasil.

Segundo Faria, a Starlink já conta com cerca de 2.000 satélites, e terá 40 mil "no futuro", sem precisar datas. Ele diz que satélites da empresa poderiam "ouvir o barulho da motosserra" e que, munido desses dados, o governo brasileiro poderia combater mais efetivamente queimadas e desmatamentos ilegais.

Sob o governo Bolsonaro, os números de desmatamento na região têm crescimento expressivo. A Amazônia Legal teve o maior número de alertas do tipo no primeiro trimestre desde ano.

Faria também declarou que a Base Aérea de Alcântara está disponível para a SpaceX, empresa aeroespacial de Musk, para lançamentos.

O presidente Jair Bolsonaro disse que a conversa, programada para ocorrer inicialmente em março e adiada devido à Guerra da Ucrânia, é "o início de um namoro que com certeza será um casamento".

Ao lado de Bolsonaro, Musk foi questionado sobre como poderia garantir que suas operações na Amazônia promoveriam a preservação.

- Você pode produzir muitas imagens e vídeos para tentar entender o que está acontecendo. Você precisa dessa conectividade – respondeu.

A tecnologia da Starlink permite somente conexão remota e envio de fotos e vídeos, como qualquer troca de arquivos, por exemplo, via Whatsapp.

Segundo especialistas, apenas um monitoramento – ou seja, uso de sistemas que façam a interpretação das imagens captadas a partir de um profundo conhecimento da área – permite a preservação, afirmam especialistas.

Esse monitoramento, cujos sistemas no Brasil têm enorme respaldo científico internacional, mostra que o desmatamento avança na Amazônia, ao contrário do que o presidente Bolsonaro sugeriu.

Veja também

Ministério da Agricultura descarta novos casos de doença aviária no RS
rio grande do sul

Ministério da Agricultura descarta novos casos de doença aviária no RS

Como se proteger contra fraudes relacionadas ao apagão cibernético
apagão

Como se proteger contra fraudes relacionadas ao apagão cibernético

Newsletter