Governo cancela mais de 84 mil benefícios

Medida atingiu os auxílios-doença e aposentadorias por invalidez. Foram 981 cancelamentos em Pernambuco

Com a redução anunciada, economia anual esperada é de R$ 20,5 milhões só no Estado Com a redução anunciada, economia anual esperada é de R$ 20,5 milhões só no Estado  - Foto: Flávio Japa/arquivo folha

 

O Governo Federal cancelou mais de 84 mil auxílios-doença e aposentadorias por invalidez depois de fazer um pente-fino em benefícios concedidos há mais de dois anos por determinação judicial sem que uma data limite para encerrar o pagamento tivesse sido estabelecida, poupando aos cofres públicos de um custo de R$ 1,6 bilhão. A estimativa é que, quando concluir o pente-fino, a economia chegue a R$ 8 bilhões por ano. Em Pernambuco, foram realizadas 1.281 perícias, dessas, 981 foram canceladas. Economia anual esperada é de R$ 20,5 milhões.
A ausência de convocados levou ao cancelamento de outros 230 benefícios. Além disso, 79 benefícios foram convertidos em aposentadoria por invalidez, 37 em auxílio-acidente, cinco em aposentadoria por invalidez com acréscimo de 25% no valor do benefício e 179 pessoas foram encaminhadas para reabilitação profissional. Pouco mais de 14 mil benefícios de auxílio-doença serão revisados no Estado. No País, das 87.517 pessoas que se submeteram à perícia, 73.352 (84%) tiveram os benefícios cassados.

Outras 11.502 não compareceram para reavaliação e, por isso, deixaram de receber os auxílios.
“Oitenta e quatro por cento das pessoas que estão no auxílio-doença há mais de dois anos são saudáveis e por isso que foi cancelado o benefício. Isso é um percentual altíssimo”, disse o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Alberto Beltrame. Atualmente, 31% do 1,7 milhão de auxílios-doença e 34% das 3,4 milhões de aposentadorias por invalidez pagos pelo INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) são concedidos por ordem de um juiz.
O levantamento identificou casos como o de uma gestante que, por causa de uma gravidez de risco, recebeu auxílio-doença durante 12 anos, o de uma técnica de enfermagem que deixou de comparecer à perícia porque o atendimento coincidia com o horário de trabalho dela e o de um porteiro de clube reconhecido pelo perito. Os três perderam o benefício.
“Isso caracteriza um descontrole importante com o dinheiro público”, afirmou o ministro Osmar Terra à reportagem. “Não havia regra nenhuma, ficou tudo solto. O governo anterior tratou isso como uma coisa natural. Não entendemos que isso seja uma coisa natural. Isso é dinheiro público. É injusto uma pessoa sadia estar ganhando auxílio-doença enquanto a outra está precisando se matar trabalhando para ganhar muito menos”, disse Terra.
No início do ano, o presidente Michel Temer editou uma medida provisória que, entre outros pontos, estabelece a necessidade de fixar o prazo estimado para a duração do auxílio-doença no momento da concessão pelo INSS ou pela Justiça. Se isso não ocorrer, o benefício será encerrado após 120 dias. A MP estabelece que o aposentado por invalidez e os segurados que recebem auxílio-doença podem ser convocados a qualquer momento para nova avaliação. Estão isentos os aposentados por invalidez que tenham mais de 60 anos. A medida ainda tramita no Congresso.

 

Veja também

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego
Economia

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil