Governo central tem déficit de R$ 21 bi em março, com dados ainda sem refletir efeitos do coronavíru

O número veio pior do que esperavam os analistas do mercado

DinheiroDinheiro - Foto: Reprodução / Internet

O governo central (que inclui Tesouro, Previdência Social e Banco Central) registrou um déficit de R$ 21,171 bilhões em março, uma queda real de 2,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. O número veio pior do que esperavam os analistas do mercado, que previam um déficit de R$ 18,089 bilhões para o mês (conforme a mediana das projeções colhidas pelo Ministério da Economia até o quinto dia útil de março).

Leia também:
Comissão que acompanha medidas de combate ao coronavírus quer relatórios semanais do Banco Central
Socorro a estados terá salário de servidor congelado por 18 meses e economia de R$ 130 bi

De acordo com o Tesouro, os dados de março não refletem em larga medida os impactos fiscais da pandemia do coronavírus, cujo reflexo ficará mais claro nos números de abril. As contas da Previdência continuam como as principais responsáveis por limitar os números, com um déficit de R$ 18,921 bilhões. Já Tesouro e Banco Central registraram déficit somado de R$ 2,25 bilhões.

A meta fiscal estabelecida para o governo central no encerramento de 2020 é um déficit de R$ 124,1 bilhões, mas o Executivo está liberado de cumprir o número graças ao reconhecimento de situação de calamidade pública pelo Congresso. No acumulado do ano, o déficit está em R$ 2,9 bilhões (recuo de 70% em relação a um ano antes). Em 12 meses terminados em março, o resultado está negativo em R$ 90,2 bilhões, o que representa 1,21% do PIB (Produto Interno Bruto).

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo
Consumo

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo

Burocracia freia os negócios
Burocracia

Burocracia freia os negócios