Economia

Governo e Congresso descartam Bolsa Família fora do teto de gastos em PEC Emergencial

Lira afirmou não acreditar que aconteça qualquer votação das PECs no Senado e na Câmara que ameacem o teto de gastos

Bolsa FamíliaBolsa Família - Foto: Folhapress

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e lideranças no Congresso descartaram nesta quarta-feira (3) qualquer tentativa de retirar o Orçamento destinado ao Bolsa Família do teto de gastos, mecanismo que limita o crescimento das despesas à inflação do ano anterior.

A informação foi divulgada após uma reunião, que reuniu o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), com o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), e no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), além de integrantes da equipe econômica.

"Esta fala é para deixar bem claro que todas as especulações que rondaram ou sondaram o dia de hoje são infundadas", afirmou o líder do centrão. "Tanto o Senado quanto a Câmara votarão as PECs sem nenhum risco ao teto de gastos, sem nenhuma excepcionalidade ao teto de gastos, para que fique claro que essas notícias sempre especulativas não contribuem para o clima de estabilidade, de previsibilidade do nosso país."
 


Também participaram da reunião o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), o deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), e o líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM).

Lira afirmou não acreditar que aconteça qualquer votação das PECs no Senado e na Câmara que ameacem o teto de gastos.

Bezerra e Braga também corroboraram a versão de Lira ao entrarem para a sessão deliberativa no Senado, em que deve ser votada a PEC.

A PEC Emergencial está programada para ser votada na tarde desta quarta-feira (3). A proposta é considerada fundamental para destravar uma nova rodada do auxílio emergencial.

A PEC acabou desidratada nas últimas semanas, com a retirada de alguns pontos, como a desvinculação dos gastos mínimos constitucionais para saúde e educação. Por isso, muitos consideram que se trata de uma derrota do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Por outro lado, o relatório do senador Márcio Bittar (MDB-AC) manteve os gatilhos a serem complicados em casos de insolvência fiscal, por estados e municípios.

Nesta terça-feira, começaram a surgir rumores de que os gastos com Bolsa Família ficariam fora do teto dos gastos.
A história começou com uma emenda do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que previa que os gastos com esse programa social ficariam fora dos gatilhos previstos na PEC - e não do teto dos gastos. No entanto, muitos senadores a partir de então se animaram com a possibilidade de retirar o Bolsa Família do teto dos gastos, incluindo líderes muito próximos ao governo.

Governistas haviam defendido nos bastidores a exclusão do Bolsa Família no teto dos gastos, medida que poderia abrir caminho e recursos para investimentos. No entanto, lideranças avaliaram que a medida poderia ser considerada uma "pedalada", afetando a credibilidade econômica do país.

Veja também

Brasil recua no ranking global dos países com maior PIB per capita em 2020
Economia

Brasil recua no ranking global dos países com maior PIB per capita em 2020

Com piora da pandemia, bancos traçam cenário mais pessimista para a economia
Economia

Com piora da pandemia, bancos traçam cenário mais pessimista para a economia