A-A+

Governo está para enviar reforma administrativa, diz Bolsonaro

Paulo Guedes promete reduzir impostos depois das reformas

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Sergio LIMA / AFP

O governo está na “iminência” de mandar ao Congresso Nacional a reforma administrativa, disse nesta quinta-feira (6) o presidente Jair Bolsonaro. Ele não mencionou, no entanto, uma data para o envio da proposta.

O presidente deu a declaração em uma live nas redes sociais ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, que foi ao Palácio do Planalto para um encontro não previsto na agenda oficial. Bolsonaro disse que também pretende discutir a reforma tributária com o ministro, que entrou no gabinete presidencial durante a transmissão ao vivo.

Convidado para participar da transmissão, Guedes disse que pretende seguir com a agenda de reformas e prometeu que o Brasil crescerá em 2020 o dobro de 2019. O Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) do ano passado só será divulgado em março. O mercado financeiro estima crescimento de 1,17% em 2019 e de 2,3% em 2020, segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central.

Leia também:
Senadores pedem definição de prioridades para reforma tributária
Bolsonaro diz que "melhor reforma é que vai ser aprovada"


“O modelo antigo levou à corrupção na política e estagnação na economia”, disse Guedes. O ministro prometeu diminuir impostos no Brasil, mas somente se as reformas estruturais prosseguirem. “Quando implementamos reformas, o que acontece é isso: com o tempo juros vão descendo, impostos vão começar a cair também”, acrescentou.

O ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, e o superintendente da Zona Franca de Manaus, Alfredo Menezes, também participaram da live, a convite do presidente.

Veja também

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência
Emprego

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência

Inflação da cesta básica encosta em 16% em 12 meses; veja lista
Economia

Inflação da cesta básica encosta em 16% em 12 meses; veja lista