Governo estima rombo de R$ 515 bilhões caso PIB caia 5%, como prevê o FMI

Nesta terça (14), o secretário nacional do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que o rombo deve ficar perto de R$ 600 bilhões

 Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida - Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Ministério da Economia estima que as contas do governo federal podem registrar um rombo de R$ 515,5 bilhões neste ano caso o PIB (Produto Interno Bruto) recue 5%, patamar próximo da previsão do FMI (Fundo Monetário Internacional) para o comportamento da economia brasileira (5,3%). Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (15).

Nesta terça (14), o secretário nacional do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que o rombo deve ficar perto de R$ 600 bilhões. Mas o cálculo dele considera medidas ainda em análise pelo Congresso, como o plano de socorro aos estados na crise do coronavírus, que já foi aprovado pela Câmara e ainda depende do aval do Senado.

As projeções divulgadas nesta quarta pelo ministério apresentam ainda o cenário em caso de queda de 2% do PIB (patamar esperado pelo mercado). Nesse caso, o resultado negativo seria de R$ 486,4 bilhões, com base nas medidas de combate à Covid-19 já anunciadas.

Leia também:
FMI prevê queda de 5,3% da economia brasileira este ano
Banco Mundial prevê queda de 5% do PIB do Brasil este ano

O secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, reconheceu que essas estimativas devem mudas ao longo do ano de acordo com o anúncio de novas medidas e com projetos a serem analisados pelo Congresso. Segundo ele, as diferentes projeções foram apresentadas por uma questão de transparência.

Apesar de ter traçado diferentes cenários para as contas públicas em 2020, o governo mantém a projeção do PIB próxima de 0% neste ano e, com isso, espera que o déficit nas contas seja de R$ 467,1 bilhões para o governo central, que engloba os resultados do Tesouro Nacional, da Previdência Social e do Banco Central.

O governo espera um déficit de R$ 3,8 bilhões para as estatais federais e de R$ 30,8 bilhões para as governos regionais (estados e municípios). Com isso, a perspectiva atual do Ministério da Economia é de R$ 501,7 bilhões de rombo nas contas de 2020.

Veja também

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF
Seguro

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF