Governo estuda cobrança de bagagem só para aéreas de baixo custo

A volta da franquia de bagagem foi aprovada no mês passado pelo Congresso Nacional. A medida Provisória que permite 100% de participação de capital estrangeiro em empresas aéreas que atuam no Brasil

Fiscalização da bagagem de mão no Aeroporto do RecifeFiscalização da bagagem de mão no Aeroporto do Recife - Foto: Julya Caminha/Folha de Pernambuco

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (14), que estuda uma alternativa para manter a gratuidade de bagagem em voos domésticos, mas abrindo uma exceção de cobrança apenas para as companhias aéreas de baixo custo, as chamadas low cost. A informação foi dada durante café da manhã com jornalistas que cobrem o Palácio do Planalto.

A volta da franquia de bagagem foi aprovada no mês passado pelo Congresso Nacional, na análise da Medida Provisória (MP) 863/2018, que permite 100% de participação de capital estrangeiro em empresas aéreas que atuam no Brasil. Bolsonaro disse que pode sancionar o texto na íntegra e enviar uma nova MP só para estabelecer regras diferenciadas para as empresas as low cost. "Sanciona [o texto] e depois envia uma MP para a criação de um exceção para as low cost".

Leia também:
Bolsonaro: tendência do governo é vetar franquia de bagagem
Anac recomenda veto a proibição de cobrança por franquia de bagagem
Bolsonaro diz que vai sancionar medida que retoma bagagem gratuita

O presidente não soube detalhar como essa distinção entre companhias aéreas de baixo custo e convencionais seria feita, mas ressaltou que o tema está em estudo no governo. Bolsonaro deixou claro, no entanto, que ainda não descartou vetar a franquia gratuita. "Politicamente é bom sancionar, mas temos que pensar na economia", disse.

O texto do projeto de lei de conversão das aéreas precisa ser sancionado pelo presidente até o próximo dia 17 para entrar em vigor.

Veja também

Vacina é a política econômica mais eficiente, diz presidente do Santander
Economia

Vacina é a política econômica mais eficiente, diz presidente do Santander

TCU aponta ilegalidade em uso de dinheiro do SUS para distribuir cloroquina e cobra Pazuello
Saúde

TCU aponta ilegalidade em uso de dinheiro do SUS para distribuir cloroquina e cobra Pazuello