Governo estuda reverter taxa sobre o etanol dos EUA

Possibilidade foi anunciada pelo ministro Blairo Maggi, mas gerou críticas do setor sucroalcooleiro

EtanolEtanol - Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

A taxação que vem coibindo a importação excessiva do etanol norte-americano pode ser extinta pelo Governo Federal. De acordo com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, esta possibilidade pode ser levada à Câmara de Comércio Exterior (Camex) antes do prazo previsto para a reavaliação da tributação, que foi retomada em agosto do ano passado e teria validade de dois anos. Afinal, pode ser o fator que a União precisa para cobrar a volta da importação da carne brasileira pelos Estados Unidos. A ideia, porém, tem gerado críticas no setor sucroalcooleiro nacional, que se diz ameaçado pelo fim da cobrança.

"Os preços da gasolina no Brasil mudaram muito. Como os preços do etanol são atrelados à gasolina, me parece que não faz muito sentido a proteção que colocamos lá atrás", argumentou Blaggi, frisando que a mudança só será realizada depois que o Ministério da Agricultura analisar todos os dados de produção e importação. "Depende do estudo que vamos fazer. Não tenho nenhuma restrição em fazer, desde que os números mostrem que essa taxação não faz mais sentido nesse momento. E se acharmos que isso pode ser retirado, não terei dificuldade de levar à Camex”, destacou o ministro.

Leia também:
Camex aprova cota e tarifa de importação de etanol
RenovaBio: chegou a vez do etanol


Maggi lembrou que os Estados Unidos reivindicam o fim da taxação e estão sem importar a carne brasileira desde a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal em março do ano passado. Por isso, o Brasil poderia aproveitar a situação para negociar uma solução conjunta para os dois casos. "Há muitos interesses comerciais nesse processo, é um mercado extremamente disputado. No início desse ano esperamos reabilizar esses mercados”, reconheceu.

Para o setor sucroalcooleiro, no entanto, a troca não compensa, pois prejudica a economia e a geração de empregos no Nordeste. “O Ministério da Agricultura não pode utilizar, a seu bel-prazer, determinado produto como moeda de troca em barganhas externas, prejudicando empregos nacionais, aumentando desocupações e impondo desequilíbrios socioeconômicos. O País, só no nordeste canavieiro, emprega formalmente mais de 260 mil pessoas na agricultura da cana destinada a etanol”, reclamou o presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Pernambuco (Sindaçúcar-PE), Renato Cunha.

Ele lembrou ainda que o Nordeste foi muito prejudicado pela importação do etanol norte-americano, que bateu recordes no ano passado, derrubando o preço do produto nacional. O problema só começou a se estabilizar em agosto do ano passado, quando a Camex aprovou a volta da taxação do combustível. A ideia era permitir a importação de até 600 milhões de litros à tarifa zero, mas cobrar uma alíquota de 20% em cima das operações realizadas depois de atingida essa cota. A medida valeria até agosto de 2019, mas teria avaliações trimestrais e a próxima pode acontecer no próximo mês.

Veja também

Vendas para China preveniram choque nas exportações, diz Guedes
economia

Vendas para China preveniram choque nas exportações, diz Guedes

Débitos de difícil recuperação com o Simples podem ser parcelados
economia

Débitos de difícil recuperação com o Simples podem ser parcelados