Governo libera mais verba para auxílio emergencial e custo alcança R$ 152,6 bilhões

A assistência paga por três meses a trabalhadores informais foi liberada para quase 60 milhões de pessoas até o momento

Aplicativo Caixa Auxílio EmergencialAplicativo Caixa Auxílio Emergencial - Foto: Isabelle Barbosa / Folha de Pernambuco

O governo autorizou nesta terça-feira (26) a liberação de mais R$ 28,7 bilhões para bancar o auxílio emergencial de R$ 600. Com o novo repasse, o custo do programa já alcança R$ 152,6 bilhões.

A assistência paga por três meses a trabalhadores informais foi liberada para quase 60 milhões de pessoas até o momento. O número de beneficiados é o triplo da projeção inicial apresentada pelo governo.

Em março, ao anunciar o programa, o Ministério da Economia informou que a medida beneficiaria entre 15 e 20 milhões de pessoas a um custo total de R$ 15 bilhões aos cofres públicos.

As estimativas do governo foram aos poucos revisadas. Após a aprovação do auxílio pelo Congresso, a projeção foi ampliada para 54 milhões de pessoas e o custo foi a R$ 98 bilhões.

Leia também:
Caixa paga auxílio emergencial para 7 milhões de pessoas nesta terça
Auxílio Emergencial chega a populações ribeirinhas do Pará e Amazonas


Em seguida, o governo percebeu que o valor não seria suficiente e liberou novo crédito para o programa, que passou para um montante de R$ 124 bilhões.

Nesta terça, foi feita a nova liberação, totalizando R$ 152,6 bilhões.

De acordo com a Caixa, os pagamentos feitos até agora da primeira parcela e parte da segunda parcela já somam R$ 70,8 bilhões.

Aproximadamente 10 milhões de pessoas ainda aguardam resposta do governo, que faz análise de dados para autorizar o benefício.

Os cadastros para acessar o programa permanecerão abertos até julho. A tendência é que o número de beneficiados continue subindo.

Até o momento, cálculos do Ministério da Cidadania apontam que o auxílio deve alcançar 70 milhões de pessoas.

No Congresso, parlamentares defendem a ampliação do número de parcelas do benefício. A ideia é combatida pela equipe econômica.

O ministro Paulo Guedes (Economia) é contra a ampliação por causa do custo elevado da assistência, mas já admite uma extensão de um ou dois meses, em valor inferior, de R$ 200 por parcela.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Vendas do Tesouro Direto têm segundo melhor nível para meses de junho
Economia

Vendas do Tesouro Direto têm segundo melhor nível para meses de junho

Chevrolet Tracker não será produzido por mais 30 dias
FMotors

Chevrolet Tracker não será produzido por mais 30 dias