Governo não considera alta de imposto no momento

Declaração foi feita pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na Suíça

O partido de Meirelles quer reduzir em 35% o tempo de propaganda na TV e no rádio de Alckmin (PSDB)O partido de Meirelles quer reduzir em 35% o tempo de propaganda na TV e no rádio de Alckmin (PSDB) - Foto: Reprodução/ Facebook

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quinta-feira (25) que o governo não considera subir impostos neste momento. A declaração foi feita durante entrevista à TV Bloomberg em Davos, na Suíça, onde Meirelles participa do Fórum Econômico Mundial.

O governo precisa cumprir em 2018 a meta de um deficit de até R$ 159 bilhões.
No final do ano passado, Meirelles chegou a dizer que o governo "sempre se pode aumentar impostos de outra área", quando comentava sobre a frustração de receita provocada pela não aprovação da tributação de fundos exclusivos no Congresso.

Leia também:
Temer diz pelo Twitter que empresários em Davos manifestaram confiança no país
Em Davos, Temer vende reformas e promete estabilidade após eleição


"Não consideramos subir tributos agora", disse Meirelles à Bloomberg. Ele previu que a arrecadação de impostos pelo governo pode "surpreender" em 2018, caso o crescimento econômico do Brasil seja mais acelerado.

"O crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] sendo maior que o esperado e considerando a correlação com arredação de impostos, que cresce mais que o PIB normalmente, significa que a arrecadação também vai surpreender". afirmou, ressaltando, porém, que o governo conta com a aprovação das reformas para controlar despesas.

O ministro disse que há uma maior compreensão no Congresso Nacional sobre os impactos da proposta de reforma da Previdência que o governo pretende aprovar em primeiro turno na Câmara dos Deputados no dia 19 de fevereiro.
"Nossas chances são muito melhores agora", destacou.

Veja também

Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano
Economia

Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano

Auxílio emergencial é insuficiente para manter trabalhador em casa, diz pesquisa
Coronavírus

Auxílio emergencial é insuficiente para manter trabalhador em casa, diz pesquisa