Governo não sabe quando pagará 2ª parcela do auxílio emergencial de R$ 600

No dia 20, Onyx Lorenzoni, havia afirmado que a segunda parcela seria paga a partir desta quinta-feira (23)

Site da Caixa para solicitar o Auxilio EmergencialSite da Caixa para solicitar o Auxilio Emergencial - Foto: Alfeu Taveres / Folha de Pernambuco

Sem conseguir concluir o pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600, o governo federal não sabe ainda quando conseguirá liberar a grana da segunda parcela do benefício nem tem data prevista para concluir os depósitos da primeira parcela.

No dia 20, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, havia afirmado que a segunda parcela, prevista para dia 27 de abril, seria paga a partir desta quinta-feira (23), mas, por falta de grana, isso não ocorreu.

"No início da semana que vem, vai se estabelecer o cronograma da segunda parcela e algumas pessoas vão receber a primeira e a segunda parcelas juntas", informou em entrevista ao programa Brasil Urgente.

Leia também:
Governo desiste de antecipar 2ª parcela do auxílio emergencial de R$ 600, dois dias após anúncio
Auxílio emergencial: cadastros de 7 a 10 de abril podem ser revistos

Questionado, ele reforçou a informação de que não há data exata para a segunda parcela enquanto não for feito o pagamento da primeira a todos que tem direito ao benefício e disse que o cronograma sairá na semana que vem.

Em seguida, o ministro afirmou que há uma intenção de iniciar a segunda parte dos pagamentos em maio. "A partir de segunda que vem nós vamos definir o calendário e, na primeira semana de maio, vai acontecer de pessoas que vão receber duas parcelas juntas", afirmou.

NÃO HAVIA DINHEIRO
Onyx disse ainda que foi necessário pedir mais dinheiro ao Ministério da Economia para pagar a primeira parcela, já que o número de inscritos ultrapassou as projeções do governo. "As projeções dos institutos era da ordem de 7 milhões de invisíveis, já estamos com mais de 20 milhões", disse.

Foi solicitado uma grana extra de R$ 20 bilhões. E, no início da noite desta quinta (23), a grana foi liberada. Agora, falta a assinatura da medida provisória pelo presidente Jair Bolsonaro. Com isso, a conclusão do pagamento da primeira parcela deve ser na semana que vem.

Segundo o ministro, até agora, foram pagos benefícios a 9,5 milhões de pessoas que fazem parte do CadÚnico e a 13,3 milhões de informais que se inscreveram por meio do aplicativo Caixa | Auxílio Emergencial e pelo site auxilio.caixa.gov.br.

Dados divulgados pela Dataprev na noite de quarta-feira (23) mostram que todo o lote de inscritos entre os dias 7 e 10 de abril já foi analisado. Ao todo, foram 32 milhões de informais. Do total, apenas 47,5% (15,2 milhões), ou seja, menos da metade, atende a todas as regras para ter o auxílio. Além disso, três entre dez necessitam de uma revisão de dados.

ERROS NO CAIXA TEM
Desde o início da semana, trabalhadores que têm direito ao auxílio reclamam que não conseguem acessar o Caixa Tem, aplicativo necessário para ter a liberação do dinheiro. Além disso, inscritos no dia 7 de abril ainda não conseguem saber se tiveram o cadastro aprovado ou não.

O ministério não teve resposta para tais questões. Segundo Antônio Barreto, secretário-executivo do Ministério da Cidadania, uma das explicações pode ser a atualização do Caixa Tem, que está tendo a capacidade de acesso ampliada.

"A capacidade de acesso simultâneo está sendo ampliada agora, neste momento. O acesso ao Caixa Tem em menos de duas semanas é maior do que a soma de todas as instituições digitais [do tipo]", afirmou ele.

Sobre os benefícios em análise, Barreto informou também que houve atualização do aplicativo e, por isso, é necessário que o usuário também faça a atualização.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Vacina é a política econômica mais eficiente, diz presidente do Santander
Economia

Vacina é a política econômica mais eficiente, diz presidente do Santander

TCU aponta ilegalidade em uso de dinheiro do SUS para distribuir cloroquina e cobra Pazuello
Saúde

TCU aponta ilegalidade em uso de dinheiro do SUS para distribuir cloroquina e cobra Pazuello