Governo não vai usar dinheiro que falta na saúde para salvar grandes empresas, diz Guedes

'O governo não vai pegar dinheiro público, dinheiro que falta para saúde e educação, e simplesmente salvar uma grande empresa, não é assim', firmou o ministro da Economia

Paulo GuedesPaulo Guedes - Foto: Wils

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (29) que o governo não usará recursos públicos que faltam na saúde e na educação para salvar grandes empresas durante a crise do novo coronavírus.

Leia também:
Governo congela programa de obras da ala militar para evitar crise com Guedes
INSS decide manter agências fechadas para conter o coronavírus

Em videoconferência com o setor varejista, Guedes disse que o Tesouro Nacional dará garantia a empréstimos concedidos a empresas maiores, mas em proporção mais baixa do que o limite dado a companhias de outros patamares. "O governo não vai pegar dinheiro público, dinheiro que falta para saúde e educação, e simplesmente salvar uma grande empresa, não é assim. É da vida ser abatido, é do mercado. Uma economia de mercado de vez em quando é atingida", disse.

O ministro explicou que companhias de grande porte fortemente atingidas pela crise, como os setores de aviação, automotivo e de distribuição de energia, poderão fazer livre negociação com sindicatos bancários. Para empresas com faturamento anual superior a R$ 10 milhões, Guedes afirmou que será reforçado um fundo de garantias de investimentos com um mecanismo chamado de primeira perda.
"Os bancos repassam os recursos. Se tiver uma perda de até 20%, quem paga é a gente. Se 20% foram perdidos, quem arca é o Tesouro. O Tesouro dá uma garantia para que eles possam ter um incentivo a correr um pouco de risco", disse.

O patamar de garantia, portanto, é muito menor do que o liberado pelo governo para empresas menores. Em projeto votado no Congresso com aval da equipe econômica, companhias com faturamento anual de até R$ 360 mil poderão fazer empréstimos com garantia de até 80% do Tesouro.

Em outra frente, empresas que faturam entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões ao ano ganharam direito a crédito para a folha de pagamentos a juros de 3,75% ao ano. Nesse caso, o Tesouro repassa R$ 36 bilhões para dar garantia a 85% dos financiamentos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

PEC propõe ampliação do parcelamento de dívidas previdenciárias aos municípios
PEC

PEC propõe ampliação do parcelamento de dívidas previdenciárias aos municípios

Evento debate 'paperless', tecnologia sem papel para empresas
EVENTO

Evento debate 'paperless', tecnologia sem papel para empresas