Governo quer reforma tributária com transição mais curta que projeto da Câmara

O texto prevê a criação de um imposto sobre valor agregado com transição de dez anos

Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados  - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O governo quer que mudanças no sistema tributário entrem em vigor num prazo inferior a dez anos. A transição em estudo, portanto, é mais curta que a prevista na reforma em andamento na Câmara.

O secretário especial adjunto da Receita Federal, Marcelo de Sousa Silva, citou como exemplo, nesta terça-feira (27), a possibilidade de o IVA (imposto sobre valor agregado) ser implementado em dois anos com a junção de PIS e Cofins. Após mais um ano, o IPI seria incorporado a esse novo imposto. Depois, poderiam entrar o ICMS e o ISS, que são tributos estaduais e municipais.

Leia também:
Presidente do Senado fala em unificar propostas de reforma tributária
Maia quer discutir solução para setores de saúde e educação na reforma tributária
Maia acredita que reforma tributária será aprovada até o final do ano

"Será que vamos conseguir ter um ambiente de negócios de forma que a gente consiga já alavancar investimentos, fazer o Brasil crescer, mantendo a mesma estrutura durante dez anos?", questiona o secretário adjunto. Ainda não há data para que o ministro Paulo Guedes (Economia) e o presidente Jair Bolsonaro enviem as sugestões próprias para a reestruturação de impostos e contribuições. O ministro se reúne nesta terça com o secretário da Receita, Marcos Cintra, para tentar arrematar a proposta.

Na Câmara, já está avançando um projeto encampado por líderes partidários. O texto prevê a criação de um IVA com transição de dez anos. Silva avalia que a burocracia precisa começar a ser eliminada para estimular a economia. "A diferença da proposta do governo e da proposta que está aí hoje [tramitando no Congresso] se chama transição. Uma transição que entregue simplicidade ao longo do processo", completou.

O secretário especial da Receita, Marcos Cintra, voltou a falar que a reforma da equipe econômica deve prever a criação de um IVA (imposto sobre valor agregado), mudanças no IR (imposto de renda) e a criação de uma contribuição sobre transações financeiras, seguindo o molde da extinta CPMF. Cintra e Silva participaram nesta terça de um café da manhã promovido pela Abrig (associação brasileira de relações institucionais e governamentais) para debater a reestruturação tributária no país. O governo apresentou as bases de sua proposta no evento.

Segundo Cintra, a ideia é priorizar a unificação de impostos federais (PIS, Cofins e IPI) num imposto sobre valor agregado, que deve ser chamado de CSBS (contribuição social sobre bens e serviços). A junção de ICMS e ISS, porém, dependeria de consenso com estados e municípios. Diante do histórico de fracasso de outras propostas tributárias, ele considera difícil uma reforma que inclua ICMS e ISS. "Mas vamos apoiar, vamos ajudar", disse.

Cintra afirmou que não pretende obrigar nenhum estado e município a aderir à reforma. No entanto, quer deixar a opção para que, caso algum governador ou prefeito queria, o ICMS ou ISS possa ser incorporado ao imposto sobre valor agregado. Além disso, o projeto do governo deve prever a criação da CST (contribuição social sobre transações), uma espécie de "nova CPMF" e que já -há algumas semanas- era apresentada como CP (contribuição previdenciária).
Cintra informou que a alíquota inicial deve ser entre 0,2% e 0,22%, mas que o objetivo é deixar o Congresso calibrar a taxas a serem cobradas sobre transações e na CSBS.

Ele voltou a declarar que a equipe deseja mudanças no Imposto de Renda, como redução da alíquota máxima para algo entre 20% e 25%, tributação sobre dividendos, criação de um teto para dedução de despesas médicas e de um IR negativo, no qual a baixa renda seria compensada com a devolução de dinheiro.
O plano do time de Guedes inclui ainda a desoneração da folha de pagamentos. Esse tributo é pago pelas empresas e, segundo o governo, impede a criação de novos empregos no país.

Em troca, a "nova CPMF" financiaria os gastos da Previdência. Em reuniões feitas no Ministério da Economia nesta segunda (26), entrou em discussão a possibilidade de que o governo apresente uma reforma mais enxuta, apenas com a reforma do IR e a contribuição sobre pagamentos. Nesse caso, o governo negociaria para que os dois pontos fossem acoplados à proposta que já tramita no Congresso. Na avaliação de auxiliares de Guedes, essa seria uma opção conciliadora e que não abriria disputa com o Legislativo.

Veja também

Deterioração no mercado de trabalho atinge 52 milhões de brasileiros
Desemprego

Deterioração no mercado de trabalho atinge 52 milhões de brasileiros

Folha esclarece dúvidas sobre a Previdência
Folha Previdência

Folha esclarece dúvidas sobre a Previdência