Grandes nomes e os desafios do mundo atual

Após 8 anos analisando a vida e obra de Henry Kissinger, o historiador Niall Ferguson levantou vários exemplos comparativos mostrando que as pessoas que tomam decisões, geralmente, desconhecem não apenas a história de sua terra natal mas de outras regiões

Rainier Michael, Cônsul da EslovêniaRainier Michael, Cônsul da Eslovênia - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Certamente, um melhor conhecimento de história teria sido útil na negociação do Acordo de Sykes-Picot, de 16 de maio de 1916, considerando ainda que este foi um ajuste secreto entre os governos do Reino Unido e da França definindo as suas respectivas esferas de influência no Oriente Médio. Este acordo já levava em conta a hipótese de derrota do Império Otomano na Primeira Guerra Mundial, influenciando até hoje todas as grandes questões e disputas no oriente médio que acompanhamos, hoje, nos noticiários.

Ou ainda a Conferência de Paz de Paris (1919), agora já com os grandes vencedores da Primeira Guerra Mundial – Inglaterra, França, Itália e os Estados Unidos, negociando durante seis meses em Paris o Tratado de Versalhes e seus desdobramentos, os Tratado de Saint-Germain, Neuilly, Trianon e Sèvres que reverberaram profundamente na constituição social e da estabilidade das nações da Europa como conhecemos hoje.

Em contrapartida, temos tratados negociados por diplomatas e estadistas cuja a visão ampla de vida, o conhecimento da história e o uso da diplomacia, tornou possível a criação de um grande legado de estabilidade e paz para as futuras gerações. Alexandre Gusmão é uma grande exemplo disto. Após 148 anos de disputas entre Portugal, Espanha, Brasil e Argentina, com a importante e estratégica negociação realizada pelo diplomata, é assinado o Tratado de Paz de 27 de agosto de 1828.

“A paz, Senhor, é, depois da Constituição, a primeira necessidade do Brasil”- voto de graças, em 1828, dos deputados que resumiam nessa frase o anseio de acordo com Buenos Aires, objetivando resolver a disputa pela Cisplatina.

Woodrow Wilson, presidente dos Estados Unidos, em mensagem enviada ao Congresso americano em 8 de janeiro de 1918, resumiu sua plataforma com 14 pontos para a Conferência de Paz de Paris, entre os quais destaco:

• "Acordos públicos, negociados publicamente", ou seja a abolição da diplomacia secreta;

• Criação de uma Liga das Nações (futura ONU), órgão internacional que evitaria novos conflitos atuando como árbitro nas contendas entre os países.

Leia também:
Japão, Pernambuco e o Mundo
Pernambuco “Hub Diplomático do Nordeste”
Trump, Narendra Modi e Dória: o poder em tempo real

Mas, voltemos a Henri Kissinger. Após o período de ausência de quatro décadas da universidade de Harvard, quando indagado por um aluno quais matérias precisaria estudar para se tornar um grande estadista como Kissinger, obteve a reposta: “história e filosofia”.

Como Kissinger aplicou a “história e filosofia’? Questiona o historiador Niall Ferguson.
De forma sutil e com muita caução, reconhecendo que a sua aplicação correta requer imaginação e julgamento. Como Kissinger menciona “História não é... um livro de receitas oferecendo pratos prontos pré-testados. História ensina por analogia, não por máximas.” História “pode iluminar as consequências das ações em situações comparáveis.”

Mas existe um segredo para alcançar os objetivos: “cada geração precisa descobrir por si mesma quais situações são realmente comparáveis”, termina Herni Kisssinger.
Se tomarmos o devido tempo analisando e estudando o contexto e os fatos históricos do último século da Península Coreana, teremos claramente o pano de fundo de como chegamos nas últimas semanas, à escalada de acusações e tensões envolvendo o atual regime da Coréia do Norte de Kim Jong-um. Desde que assumiu o poder há 6 anos, este já realizou mais de oitenta testes de mísseis, inclusive lançando o Hwasong 12 que atravessou o céu da Ilha de Hokkaido, no Japão e, mais recentemente, testando um artefato termonuclear ou bomba H.

Será que a diplomacia já utilizou todos os argumentos possíveis antes de cairmos novamente em uma retórica bélica pelas partes envolvidas? Será que as pessoas que estão tomando as decisões conhecem a história de sua terra natal e dos países e regiões envolvidas?

Nikke Haley, embaixadora dos EUA na ONU, em recente discurso no conselho de segurança da ONU, diz: “É chegada a hora de utilizarmos e exaurirmos todas as opções diplomáticas de forma rápida”.

Eu termino a coluna desta semana com a frase de Jaqques Bousset:
“A história é o grande espelho da vida: instrui com a experiência e corrige com o exemplo”.

*Empresário há 35 anos, Rainier Michael tem ampla experiência em trocas internacionais. O trabalho realizado por ele junto ao consulado esloveno, e designado “Diplomacia Econômica”, interpreta sob uma visão humana o desenvolvimento e o crescimento do Nordeste. Paulista de nascença, Michael se mudou para Pernambuco há dez anos, quando seus negócios no Estado cresceram de forma a tornar indispensável sua presença aqui. Seu comparecimento nos mercados pernambucanos, entretanto, é mais antigo do que isso. Antes de assumir o consulado, já era representante da Sociedade Brasil-Alemanha no Nordeste. É destacável, também, sua atuação enquanto presidente do Rotary Club Recife.

** A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Ambev fecha acordo para comprar mil veículos elétricos
Sustentabilidade

Ambev fecha acordo para comprar mil veículos elétricos

Caixa paga nesta quinta-feira (28) R$ 248 milhões do auxílio emergencial
PAGAMENTO

Caixa paga nesta quinta R$ 248 milhões do auxílio emergencial