Greve do caminhoneiros: falta de distribuição afeta setor produtivo

Ausência de insumos e dificuldades para escoar mercadorias são as principais barreiras enfrentadas

LeiteLeite - Foto: Arquivo/Folha de Pernambuco

O setor produtivo pernambucano sentiu os efeitos causados pela mobilização dos caminhoneiros. As maiores dificuldades são os obstáculos para conseguir escoar a mercadoria e a queda na produção por falta de insumos. De acordo com a Federação da Agricultura (Faepe), com a interdição em vários pontos de rodovias do Estado, a agropecuária está sendo impactado pela menor comercialização, incluindo as cadeias produtivas de leite, aves, frutas e suínos.

Segundo o presidente da Faepe, Pio Guerra, as limitações impostas nas estradas têm prejudicado o fornecimento de insumos às propriedades agrícolas, a manutenção do manejo adequado das atividades e a forma adequada de distribuição dos produtos, sendo a maioria perecível. Perdas sentidas são em produtos lácteos, aves e frutas frescas.

A falta de escoamento do setor de laticínios preocupa as entidades, já que a capacidade de armazenamento foi afetada. Segundo a Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos), mais de 51 milhões de litros de leite por dia não estão sendo coletados no Brasil. O impacto financeiro representa cerca de R$ 180 milhões por dia em todo o País. Devido a esses prejuízos, a entidade informou que vai se manter atenta ao cenário para uma solução que atenda aos interesses da cadeia produtiva.

Para a Faepe, a exportação de frutas enfrenta dificuldades, já que produtores não estão conseguindo atender a demanda dentro do prazo estabelecido em contrato. Porém, a entidade comunicou que eles estão com a emissão da documentação necessária e com o cumprimento de todo o procedimento legal. A Faepe informou que as cargas de manga e uva dos exportadores da região do Vale do São Francisco estão impossibilitadas de sair do município em direção aos portos, o que representa uma perda de 25% na produção da semana. Consequentemente, as mercadorias estão mantidas em caminhões frigoríficos com altos custos de manutenção.

Leia também:
Crise dos combustíveis: como o País chegou até esse ponto?


Com a continuação da paralisação, o Sindicato Rural de Petrolina estimou uma perda de 80% na produção de uva e manga na região do São Francisco entre o período de 28 deste mês a 1º de junho. Segundo o presidente da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport), José Gualberto de Almeida, a falta do óleo diesel está dificultando o suprimento das fazendas. “O impacto é na área operacional de produção. Além disso, houve transtorno grande para escoamento dos produtos para o mercado interno, já que é feito por meio de caminhões”, disse.

As produções estocadas nas granjas e estradas também chamou atenção da Associação Avícola de Pernambuco (Avipe). Durante os quatro dias de paralisação, o órgão avaliou uma perda de 15% da produção mensal em Pernambuco, além de falta de ração em diversas granjas.

Automóveis
No setor automotivo, a Jeep informou que a produção no polo localizado em Goiana, na Região Metropolitana do Recife (RMR), está suspensa desde a última quinta-feira. A medida foi tomada devido à irregularidade dos fluxos logísticos causada pelo bloqueio de rodovias.

Veja também

China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
Economia

China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM
Tributos

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM