Guedes critica Sistema S e diz que encargo trabalhista é arma de destruição em massa de emprego

O ministro falou a uma plateia de cerca de 750 pessoas entre empresários e políticos, dentre eles governadores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o do Senado, David Alcolumbre

Ministro da Economia, Paulo GuedesMinistro da Economia, Paulo Guedes - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a criticar duramente o Sistema S nesta sexta-feira (5), ao dizer que encargo trabalhista é desumano e uma arma de destruição em massa de emprego.

Guedes minimizou o episódio que ocorreu na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) em que foi chamado de tchutchuca, ao dizer que isso é coisa que acontece.

"Tive reuniões extraordinariamente construtivas. O presidente do Senado acabou de assumir com total apoio, [dizendo querer] apoiar as reformas. As principais lideranças do país estão comprometidas com a reforma. Eu vou ter medo de quê? Vou ter medo de perder a paciência, depois de 6 ou 7 horas, e me cansar, e tratar com certo desrespeito quem me desrespeitou? Humores. Acontece", afirmou o ministro durante apresentação no Fórum Empresarial Lide, em Campos do Jordão.

O ministro falou a uma plateia de cerca de 750 pessoas entre empresários e políticos, dentre eles governadores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o do Senado, David Alcolumbre.

A apresentação de Guedes foi a mais esperada e acompanhada por grande silêncio da plateia, só interrompido por palmas.

Leia também:
Depois de caos e tchutchuca com Guedes, CCJ tem calma com técnicos da Previdência
Doria chama Guedes de guerreiro do Brasil após bate-boca de ministro 

Ao fazer referência ao episódio que envolveu o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), Guedes foi aplaudido. Ele disse estar "absolutamente tranquilo" e perceber que há uma dinâmica "extraordinariamente construtiva" em Brasília.

"A classe política tem maturidade e liderança suficientes para conduzir junto com o presidente a transformação. A intensidade é a questão. Mesmo que haja muita dúvida sobre como vai haver essa aproximação da forma operacional, a verdade é que ela é inescapável", afirmou.

"Uma coisa são humores pessoais, desentendimentos pessoais, às vezes um encosta no outro, se refere de forma inadequada, essas coisas acontecem, são ruídos, o que interessa é a dinâmica maior dos eventos", disse.

Guedes voltou a fazer duras críticas ao Sistema S e chegou a elogiar medidas tomadas pelo ex-presidente Lula.

"Nada contra a educação do Sistema S, é um espetáculo, técnico. Mas se você recolhe 100 e gasta 20 com educação, com 80 financiando campanha política, tentando aprovar legislação favorável, comprando prédio no Rio de Janeiro para diretor do Sistema S, para ter R$ 20 bilhões de caixa, salários altos...", afirmou Guedes, criticando o sistema.

Na avaliação do governo, disse Guedes, não pode haver financiamento perverso, mesmo de atividades legítimas e socialmente desejáveis. "Encargo trabalhista é desumano, são armas de destruição em massa de emprego", disse ao ser fortemente aplaudido por uma plateia de empresários.

"Primeiro o sistema destruiu empregos porque o recolhimento é feito sobre a folha de pagamento. E agora vai treinar o filho de trabalhador que você desempregou? Uma função social interessante, mas questionável", disse.

No lugar de encargos trabalhistas, disse Guedes, é preciso entender quanto custam os programas de formação técnica e colocá-los no Orçamento.

O ministro fez também afagos ao ex-presidente Lula, ao dizer que não é preciso tantos intermediários para chegar aos jovens e que, politicamente, a esquerda mostrou isso.

"Quando Lula chegou, PSDB, PMDB, PFL estavam pagando R$ 360 bilhões, R$ 400 bilhões de juros de dívida todo ano. Ele chegou com R$ 10 bilhões e ganhou quatro eleições seguidas", disse Guedes em relação ao programa Bolsa Família. "Mostrou que o dinheiro é na veia", disse.

"Não precisa passar por Brasília e todos os ministérios, pagar todo aquele negócio, depois descer por intermediário que são as lideranças empresariais, dar três piruetas num prédio de luxo e depois treinar um garoto. Está errado e precisamos ter clareza a respeito disso. Não há mais recursos."

Veja também

Ipea aumenta previsão de alta do PIB do setor agropecuário
Economia

Ipea aumenta previsão de alta do PIB do setor agropecuário

Guedes fala em novas bandeiras de energia para evitar racionamento
Energia

Guedes fala em novas bandeiras de energia para evitar racionamento