A-A+

Guedes diz que burocracia da Petrobras resiste a proposta de reduzir preço do gás

O objetivo da proposta é reduzir a concentração no mercado

Paulo Guedes, ministro da EconomiaPaulo Guedes, ministro da Economia - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta (26) que o governo deve anunciar em até 45 dias medidas para baratear o preço do gás natural no país. Ele afirmou, porém, que a proposta vem enfrentando resistência da "burocracia" da Petrobras.

Guedes se reuniu na manhã desta sexta-feira (26) com o economista Carlos Langoni, quem primeiro apresentou a ideia do "choque de energia barata" ao ministro da Economia. Langoni acredita que é possível reduzir à metade o preço do gás no país -a proposta trata do gás canalizado, não vendido entregue em botijões.

Segundo o economista, o esforço não depende da aprovação de leis, mas apenas de medidas regulatórias.O objetivo é reduzir a concentração do mercado, hoje abastecido apenas pela Petrobras. "São medidas muito simples, eu diria de uma simplicidade franciscana", disse Langoni, em entrevista após a reunião com Guedes.

Leia também:
Guedes e Ernesto divergem sobre condução da política comercial brasileira
Guedes diz que está preparando sequência de medidas fortes e positivas
Após 18 dias, Petrobras reajusta preço da gasolina em 2%


"É apenas um processo de abertura, de reduzir o poder de monopólio da Petrobras de um lado e de introduzir a figura do consumidor livre de gás natural do outro, na ponta da distribuição", completou. Ele não quis, porém, adiantar quais seriam as medidas em estudo.

O tema voltará a ser debatido em reunião na segunda-feira (29) com o Ministério de Minas e Energia (MME), que coordena grupo criado pelo governo para definir as medidas. Guedes disse que o projeto tem apoio do presidente Jair Bolsonaro e do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco.

"A ideia de levar o gás para as famílias brasileiras pela metade do preço e reindustrializar o país por meio da energia barata é extremamente atraente", defendeu o ministro. Ele reconheceu, porém, que há resistências dentro da própria estatal.

Sem citar nomes, Guedes disse que se arrependeu de ter indicado para a estatal "um consultor" que participou da equipe de transição do governo Bolsonaro e, na estatal, "foi capturado pela burocracia". "Esse consultor que me referi fez um plano que daqui a quatro anos vamos ter gás mais barato. Ele deve estar trabalhando para o próximo governo, não para o presidente Bolsonaro", afirmou. "Se podemos em 30 ou 60 dias dar um choque de energia barata e retomar o crescimento, porque nós vamos esperar quatro anos?".

Argentina

Guedes se reuniu nesta sexta também com o ministro da Economia da Argentina, Nicolás Dujovne. Em entrevista após o encontro, os dois disseram que trataram de negociações comerciais bilaterais e das negociações de acordo entre a União Europeia e o Mercosul.

"Vamos fechar acordo (em negociações bilaterais) nos próximos 30 dias e isso vai nos permitir chegar a um acordo também com os europeus, que estamos atrasados ha décadas", disse Guedes, sem detalhar quais seriam os acordos.

Na entrevista, ele disse que o presidente argentino Mauricio Macri tem "todo o apoio" do governo Jair Bolsonaro. Para tentar estancar a crise econômica do país, Marci anunciou esta semana um pacote de medidas que inclui o congelamento de preços de mais de 60 produtos.

Veja também

Brasil: 56,4% das dívidas dos inadimplentes são pagas em até 60 dias
Contas

Brasil: 56,4% das dívidas dos inadimplentes são pagas em até 60 dias

Vale perde posto de empresa mais valiosa da América Latina para Mercado Livre
Mercado

Vale perde posto de empresa mais valiosa da América Latina para Mercado Livre