Economia

Guedes diz que governo vai liberar R$ 100 bi de compulsório para expandir crédito

Anúncio acontece um dia depois de o BC anunciar nova redução na alíquota do recolhimento compulsório sobre recursos a prazo

Paulo GuedesPaulo Guedes - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (27) que o governo vai liberar R$ 100 bilhões de compulsório, parcela de dinheiro dos clientes que os bancos não podem usar em operações de crédito e que precisa ficar retida no Banco Central.

O anúncio acontece um dia depois de o BC anunciar nova redução na alíquota do recolhimento compulsório sobre recursos a prazo, de 33% para 31%, o que representa a liberação de R$ 16,1 bi retidos nos bancos para tentar incentivar empréstimos.

"Estamos fazendo a desestatização do mercado de crédito. Estamos fazendo a devolução, despedalando os bancos públicos", disse Guedes após uma reunião na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), da qual participou também o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

"Ontem (quarta-feira) já houve uma liberação de R$ 20 e poucos bilhões [na verdade, R$ 16,1 bi] de recolhimento compulsório para ampliar o crédito privado e vem aí mais de R$ 100 bilhões de liberação de compulsório ali na frente. Então, estamos encolhendo o crédito público e melhorando a alocação de recursos, expandindo o crédito privado", disse o ministro da Economia.

Leia também:
Críticas de Guedes ao relatório da Previdência derrubam Bolsa
Demissão de Joaquim Levy foi covardia sem precedentes de Guedes, diz Maia 

Os depósitos a prazo são feitos quando o cliente investe em um título do banco. Já o depósito à vista é o dinheiro parado na conta-corrente, que tem compulsório de 25%.

Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), o compulsório no Brasil é mais elevado que em outros países, e esse é um dos motivos para que os juros cobrados nos empréstimos sejam mais altos.

Na prática, quando o compulsório é alto, os bancos têm menos dinheiro para emprestar aos clientes. Para manter o lucro, cobram mais pelos empréstimos, o que aparece no spread (a diferença entre o custo de captação e a taxa de juros cobrados dos clientes).

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, comentou nesta quinta-feira (27) a decisão de cortar de 33% para 31% a alíquota para recolhimento compulsório sobre recursos a prazo.

"O compulsório não substitui política monetária. Não é essa nossa visão, não é essa a nossa intenção", disse. "Nós temos anunciado que temos uma reforma, uma agenda de reforma de mercado, estruturante. Esse tema está muito mais ligado a uma agenda BC [de medidas estruturais] do que a qualquer tipo de decisão de política monetária", afirmou.

Desde 2008, o BC usou o compulsório como forma de estimular ou esfriar a economia, além de criar reservas de valor para reduzir ou aumentar a exposição dos bancos a risco de inadimplência.

Ao reduzir o percentual a ser coletado, o BC permite que os bancos usem esses recursos e emprestem mais, o que poderia ajudar o país em momentos de crescimento mais lento, como o atual.

Segundo o BC, a alteração aproxima mais a alíquota dos níveis históricos praticados antes da crise de 2008.

Em maio daquele ano, os compulsórios somavam R$ 110 bilhões, valor que foi reduzido praticamente pela metade nos 12 meses seguintes.

Em 2010, diante da necessidade de frear a liberação devido ao aquecimento da economia e do aumento da inadimplência, os compulsórios foram elevados para mais de R$ 200 bilhões. O valor chegaria a R$ 300 bilhões no ano seguinte e a R$ 400 bilhões no início de 2019.

Veja também

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chipsSmatphones

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chips

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadasLoteria

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadas